400 empresas testam novas tarifas da luz à la carte

ERSE vai testar duas novas tarifas, mais dinâmicas e adaptadas aos perfis de consumo dos clientes, em quatro projetos-piloto. No futuro, vão chegar a casa das pessoas

Imagine que recebe um sms a avisar que daí a dois dias, a uma determinada hora, o preço da luz vai ficar mais caro devido a um aumento do consumo na rede elétrica. Com esta informação pode, por exemplo, evitar pôr máquinas a trabalhar e assim poupar na fatura da luz ao final do mês. Este é o cenário futuro traçado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), que, já a partir de 1 de janeiro de 2018, vai testar dois novos tipos de tarifas, mais dinâmicas e adaptadas aos perfis de consumo dos clientes, num conjunto de quatro projetos-piloto (dois em Portugal continental, um na ilha da Madeira e outro na ilha de São Miguel, nos Açores) que envolverão cerca de 400 empresas portuguesas - cem em cada projeto.

"Porquê estes universos? Para implementarmos estes novos tipos de tarifas são necessários smart meters [contadores inteligentes] e nos consumidores empresariais essa tecnologia já está instalada. Queremos testar sim, mas minimizando os custos de implementação. O objetivo são novas tarifas que permitem interagir de forma mais dinâmica com os consumidores, via sms, por exemplo", explicou Pedro Verdelho, diretor de Tarifas e Preços da ERSE, ao DN/Dinheiro Vivo, na conferência Desa- fios da Gestão Ativa da Procura de Energia, organizada pela Universidade da Beira Interior.

A participação destes consumidores industriais (de média tensão para cima) nos testes da ERSE é facultativa e irá prolongar-se por 12 meses, para testar a possibilidade de introduzir novos preços de eletricidade que variem em função de múltiplos fatores: a hora e o dia de consumo, os meses do ano, entre outros. Isto significa que, em vez de apenas poderem optar pela tarifa simples, bi-horária ou tri-horária, os consumidores terão à sua disposição as chamadas tarifas dinâmicas, com uma maior amplitude de preços face ao cenário atual. "Neste momento, ainda temos 20% da procura a ser orientada por tarifas simples, sem que o preço da energia tenha diferenciação horária."

Hoje, diz Pedro Verdelho, "temos todos os dias úteis do ano quatro preços de energia, que não têm sazonabilidade e não variam ao longo dos meses do ano". Pelo contrário, em 2018 estarão em teste "dois novos conjuntos de tarifas", a começar por uma, mais estática e definida com um ano de antecedência, mas que apresenta no entanto mais complexidade e seis preços de energia diferentes ao longo do ano (permitindo sinalizar as diferenças entre verão e inverno), com os valores mais elevados a coincidirem com os períodos de maior procura. A segunda tarifa em teste será mais sofisticada e mais dinâmica, com os períodos mais críticos de procura a serem sinalizados junto dos clientes pelos operadores de redes de distribuição de eletricidade.

"Isto permite informar os consumidores com antecedência, dois dias antes, por exemplo: atenção que naquele dia, àquela hora, vamos ter um período crítico. O que possibilita aos consumidores retirarem o consumo dessas horas e reduzirem gastos. É uma forma mais inteligente de orientar a procura no setor elétrico", defende Pedro Verdelho, avisando que a alteração de tarifas é "um processo a longo prazo", mas garantindo que "daqui a uns anos será possível introduzir estas tarifas dinâmicas também no mercado doméstico".

Pondo a tónica do lado dos consumidores, o responsável da ERSE salientou que, no segmento doméstico, "alguns consumidores estarão interessados neste tipo de preçários, mas outros não". "Por isso temos de manter a tarifa simples para a grande maioria, mas não se pode excluir outras opções." O futuro, diz o responsável da ERSE, passa por "levar os consumidores a aceitarem tarifas mais sofisticadas para reduzir o consumo de eletricidade nas suas casas". E dá um exemplo prático: "Quando vemos uma torneira a pingar corremos para a fechar, mas quando vemos uma lâmpada acesa ainda temos muita dificuldade em medir esse consumo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.