400 empresas testam novas tarifas da luz à la carte

ERSE vai testar duas novas tarifas, mais dinâmicas e adaptadas aos perfis de consumo dos clientes, em quatro projetos-piloto. No futuro, vão chegar a casa das pessoas

Imagine que recebe um sms a avisar que daí a dois dias, a uma determinada hora, o preço da luz vai ficar mais caro devido a um aumento do consumo na rede elétrica. Com esta informação pode, por exemplo, evitar pôr máquinas a trabalhar e assim poupar na fatura da luz ao final do mês. Este é o cenário futuro traçado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), que, já a partir de 1 de janeiro de 2018, vai testar dois novos tipos de tarifas, mais dinâmicas e adaptadas aos perfis de consumo dos clientes, num conjunto de quatro projetos-piloto (dois em Portugal continental, um na ilha da Madeira e outro na ilha de São Miguel, nos Açores) que envolverão cerca de 400 empresas portuguesas - cem em cada projeto.

"Porquê estes universos? Para implementarmos estes novos tipos de tarifas são necessários smart meters [contadores inteligentes] e nos consumidores empresariais essa tecnologia já está instalada. Queremos testar sim, mas minimizando os custos de implementação. O objetivo são novas tarifas que permitem interagir de forma mais dinâmica com os consumidores, via sms, por exemplo", explicou Pedro Verdelho, diretor de Tarifas e Preços da ERSE, ao DN/Dinheiro Vivo, na conferência Desa- fios da Gestão Ativa da Procura de Energia, organizada pela Universidade da Beira Interior.

A participação destes consumidores industriais (de média tensão para cima) nos testes da ERSE é facultativa e irá prolongar-se por 12 meses, para testar a possibilidade de introduzir novos preços de eletricidade que variem em função de múltiplos fatores: a hora e o dia de consumo, os meses do ano, entre outros. Isto significa que, em vez de apenas poderem optar pela tarifa simples, bi-horária ou tri-horária, os consumidores terão à sua disposição as chamadas tarifas dinâmicas, com uma maior amplitude de preços face ao cenário atual. "Neste momento, ainda temos 20% da procura a ser orientada por tarifas simples, sem que o preço da energia tenha diferenciação horária."

Hoje, diz Pedro Verdelho, "temos todos os dias úteis do ano quatro preços de energia, que não têm sazonabilidade e não variam ao longo dos meses do ano". Pelo contrário, em 2018 estarão em teste "dois novos conjuntos de tarifas", a começar por uma, mais estática e definida com um ano de antecedência, mas que apresenta no entanto mais complexidade e seis preços de energia diferentes ao longo do ano (permitindo sinalizar as diferenças entre verão e inverno), com os valores mais elevados a coincidirem com os períodos de maior procura. A segunda tarifa em teste será mais sofisticada e mais dinâmica, com os períodos mais críticos de procura a serem sinalizados junto dos clientes pelos operadores de redes de distribuição de eletricidade.

"Isto permite informar os consumidores com antecedência, dois dias antes, por exemplo: atenção que naquele dia, àquela hora, vamos ter um período crítico. O que possibilita aos consumidores retirarem o consumo dessas horas e reduzirem gastos. É uma forma mais inteligente de orientar a procura no setor elétrico", defende Pedro Verdelho, avisando que a alteração de tarifas é "um processo a longo prazo", mas garantindo que "daqui a uns anos será possível introduzir estas tarifas dinâmicas também no mercado doméstico".

Pondo a tónica do lado dos consumidores, o responsável da ERSE salientou que, no segmento doméstico, "alguns consumidores estarão interessados neste tipo de preçários, mas outros não". "Por isso temos de manter a tarifa simples para a grande maioria, mas não se pode excluir outras opções." O futuro, diz o responsável da ERSE, passa por "levar os consumidores a aceitarem tarifas mais sofisticadas para reduzir o consumo de eletricidade nas suas casas". E dá um exemplo prático: "Quando vemos uma torneira a pingar corremos para a fechar, mas quando vemos uma lâmpada acesa ainda temos muita dificuldade em medir esse consumo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.