INE confirma carga fiscal em 35,4%, a maior de sempre

Receitas fiscais subiram 6,5% em 2018, ano em que o PIB se expandiu em 3,6%.

A carga fiscal portuguesa ficou no ano passado em 35,4% do produto interno bruto, confirma esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística, numa evolução da cobrança de impostos que traduz em 2018 um subida de um ponto percentual no peso das receitas fiscais na economia (34,4% em 2017). Os dados apontam um crescimento no encaixe fiscal de 6,5%, em termos nominais, acima do crescimento de 3,6% do PIB.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.