Herdeira da Zara "perde" 100 milhões nos negócios imobiliários

O valor do património imobiliário de Sandra Ortega - a filha mais velha e discreta de Amancio Ortega - diminuiu, mas isso deve-se sobretudo a mudanças contabilísticas.

Sandra Ortega herdou do pai, Amancio Ortega, o faro para os negócios e é dona de uma fortuna considerável que a coloca como a segunda mulher mais rica de Espanha - ocupava o primeiro lugar desde 2013. Mas no ano passado, a filha mais velha do dono do império Inditex, que inclui a Zara, não seguiu as pegadas do pai nos negócios imobiliários e viu o seu património reduzido em 100 milhões de euros. Muito dinheiro, mas ainda assim a mossa não é tão forte para quem tem uma fortuna avaliada pela Forbes em 5 300 milhões de euros.

Os negócios imobiliários de Sandra Ortega Mera, de 50 anos, estão distribuídos por Espanha, Alemanha, Estados Unidos, mas também por Portugal, onde detém, por exemplo, 90% da imobiliária Ferrado Nacomporta.

A carteira imobiliária - avaliada em 600 milhões - inclui escritórios, hotéis, instalações comerciais, residências e até parques de estacionamento. As empresas convergem na Rosp Corunna, que controla o grupo que herdou da mãe. Com a morte de Rosalía Mera, em 2013, Sandra Ortega ficou também com 5,05% do grupo Inditex.

Inditex rendeu-lhe 118 milhões em 2018

As últimas contas enviadas ao Registo Mercantil espanhol ajudam a entender como a segunda mulher mais rica da Espanha administra a sua herança.

Como não seria de estranhar, o capital chega-lhe sobretudo da participação que tem na Inditex - uns meros 5,05% que no ano passado lhe renderam 118 milhões de euros. Uma diferença abismal se olharmos para os números da segunda empresa mais rentável que "só" lhe rendeu 1,37 milhões.

Segundo o El País, no que diz respeito aos negócios imobiliários, a Rosp Corunna informou que seus ativos em 2018 valiam 448,6 milhões, quando no ano anterior eram 550,1 milhões, uma queda de quase 100 milhões. Mas esse dinheiro não estará propriamente perdido e deve-se a uma mudança de contabilidade, já que terá ocorrido devido ao facto de ter começado a gerir diretamente quatro hotéis que antes arrendava e deixou de anotá-los nos negócios imobiliários (venda ou aluguel) para considerá-los ativos que a empresa precisa para outras atividades.

Muito rica e discreta como o pai

Segunda mulher mais rica de Espanha, a fortuna de Sandra está contudo a anos-luz da do patriarca da Inditex, que este ano foi avaliada pela Forbes em 50,4 mil milhões de euros.

Sandra Ortega herdou do pai não só o talento para os negócios, mas também a discrição. São poucas as fotografias que se conhece da herdeira mais velha do império Zara. Tão pouco da família que formou com Pablo Gómez, o seu amor de juventude, com quem teve três filhos: Martiño (22 anos); Antía (18) e Uxía (14).

É adepta da discrição, mas não de viver isolada e por isso - segundo o El País - tem um círculo de amigos fiéis que respeitam esse desejo de privacidade. Apesar de ter dinheiro na conta bancária para comprar as melhores "bombas", sabe-se também que prefere os carros práticos aos de luxo. E que seus filhos, tal como ela, também frequentaram o ensino público.

O filho mais velho estuda em Madrid e, diz-se, não faz gala de se gabar de ser o neto de Amancio Ortega.

Mas há uma coisa bem conhecida sobre Sandra Ortega: que soube fazer crescer a herança que lhe deixou a mãe, que se separou de Amancio Ortega quando a filha mais velha tinha 16 anos. Rosalía morreu de um derrame cerebral, quando passava férias em Menorca.

Deixou à filha 5,05% da Inditex e de Pharma Mar, mas também a cargo Marcos, o irmão com paralisia cerebral, e a Paideia Galiza, uma instituição solidária a que Sandra tem dado grande atenção.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...