Governo mantém intenção de baixar portagens no interior durante o verão

Ministro do Planeamento admite que negociações formais ainda não começaram

O Governo mantém a intenção de baixar as portagens nas autoestradas do interior no verão, apesar de ainda não terem começado as negociações formais com a concessionária da A23, condição para avançar com os novos preços.

"Fizemos contactos informais com a concessionária e estamos a aguardar resposta ainda informal para depois poder avançar para a negociação formal", afirmou hoje o ministro do Planeamento e Infraestruturas, que está a ser ouvido na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Em resposta ao deputado do PS Luís Testa, Pedro Marques garantiu que o calendário para implementar esta medida se mantém: "Mantemos a nossa intenção de que essa redução possa acontecer durante o verão".

Na audição, o governante lembrou que o Governo tem que negociar com a concessionária da A23 esta redução das portagens, uma vez que o anterior executivo de Passos Coelho passou as receitas de portagem para o concessionário.

"Tivemos uma surpresa, que limitou significativamente o que seria um ato de gestão simples do Governo", declarou.

Em abril, Pedro Marques anunciou também no parlamento que o preço das portagens nas autoestradas do interior vai baixar até ao verão, tendo na altura explicado que a redução não seria imediata por ser necessário negociar com a concessionária da A23.

"Tivemos uma surpresa negativa: a renegociação da A23 [entre Torres Novas e a Guarda], realizada pelo governo anterior, passou as receitas de portagem para o concessionário e o Estado tem agora que iniciar uma renegociação com o concessionário. Estamos amarrados", declarou, admitindo "porventura custos associados" a uma nova alteração do contrato.

A A23 - Autoestrada da Beira Interior, concessionada à Scutvias, segue desde novembro de 2015 um modelo misto de receitas de portagem e de pagamentos de compensação do concedente.

Hoje, o governante adiantou que a redução das portagens abrange a A22, A23, A24, A25 e "eventualmente também a Autoestrada Transmontana", que liga o Porto a Bragança, recusando-se mais uma vez a adiantar qual será o valor da descida.

"O quanto não vou pôr em cima da mesa quando as negociações formais ainda não começaram", declarou.

Pedro Marques acusou o governo de Passos Coelho de ter criado "uma condicionante" à descida de portagens, lembrando que o antigo primeiro-ministro chegou a prometer "em campanha eleitoral" reduzir as portagens nas antigas SCUT (sem custos para o utilizador).

"Vamos ter que negociar formalmente. Passaram quatro meses, vocês estiveram lá quatro anos. Não vou colocar um quando em cima da mesa", afirmou.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.