Chineses da HNA podem ficar indiretamente com 20% da TAP

Empresário Humberto Pedrosa e ministro Pedro Marques explicaram acordo de compra e venda de ações da transportadora aérea

O Governo e a Atlantic Gateway assinaram ontem o acordo de compra e venda de ações da TAP, que permitirá ao Estado ficar com 50% do capital da transportadora aérea, o qual foi explicado hoje, numa conferência de imprensa, pelo ministro Pedro Marques e por Humberto Pedrosa, em representação da Atlantic Gateway.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas considerou que o acordo corresponde a uma estabilização definitiva da empresa.

"O mais importante é que estes instrumentos correspondem à estabilização definitiva da empresa no seu novo formato", afirmou Pedro Marques em conferência de imprensa, acrescentando que o futuro estratégico da companhia aérea portuguesa terá uma palavra do Estado português.

O empresário Humberto Pedrosa, do consórcio Atlantic Gateway, admitiu que a empresa chinesa Hainan Airlines (HNA) pode vir a ficar com uma participação de 20% do capital da TAP.

Na conferência de imprensa, Pedrosa adiantou que a HNA vai entrar no capital da Azul (companhia do brasileiro David Neelman que integra a Atlantic Gateway), que subscreveu obrigações na TAP que poderão ser convertíveis em ações. Esta participação indireta rondará os 13%.

Ao mesmo tempo, adiantou, a HNA vai entrar no capital da Atlantic Gateway com uma participação na ordem dos sete por cento.

"Se juntarmos esses 13% aos 7% que [a HNA] vai ter na Atlantic, poderá chegar aos 20%", disse Humberto Pedrosa aos jornalistas.

Sobre a participação chinesa no capital da TAP, o ministro Pedro Marques afirmou apenas que há a expetativa de se conseguir uma aproximação a Oriente para ter "tão cedo quanto possível" uma ligação a essa zona, em concreto a Pequim.

A conferência de imprensa, que decorreu com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, serviu para dar conta dos termos do acordo entre o Governo e a Atlantic Gateway de compra e venda de ações da TAP, que permitirá ao Estado ficar com 50% do capital da transportadora aérea.

"O Estado e a Atlantic Gateway celebraram o Acordo de Compra e Venda de Ações e o Acordo Parassocial e de Compromissos Estratégicos previstos no Memorando de Entendimento para a reconfiguração dos termos e condições da participação do Estado português na TAP", referia ontem uma nota do gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

Na quinta-feira, o ministro Pedro Marques já tinha garantido que o novo contrato de privatização da TAP seria assinado no sábado.

O Governo de António Costa vai pagar 1,9 milhões de euros para o Estado ficar com 50% da TAP (em vez de 34% como previa o acordo anterior), resultado das negociações com o consórcio Gateway, que tinha 61% do capital da companhia e que agora fica com 45%, podendo chegar aos 50%, com a aquisição do capital à disposição dos trabalhadores.

O Estado compromete-se a não deter uma participação superior a 50% na TAP, que ficará na posse da Parpública, passando a nomear o presidente do Conselho de Administração da empresa, composto por 12 elementos - seis escolhidos pelo Estado e seis pelo consórcio privado.

Já a comissão executiva mantém-se com três membros, nomeados pelos acionistas privados, sendo liderada por Fernando Pinto.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.