Governo dos Açores avança com "amplo processo" de pré-reformas no setor público

O governo dos Açores está a concluir a regulamentação de um "amplo processo" de pré-reformas na administração pública regional com "critérios objetivos e transversais", indicou fonte do executivo à agência Lusa.

A proposta, indicou a fonte, "pretende garantir, ao contrário daquilo que está previsto a nível nacional, critérios objetivos e transversais a toda administração regional dos Açores", e pretende estabelecer que os processos não fiquem dependentes "do entendimento de cada uma das chefias de serviços de departamentos da administração regional".

O processo destina-se aos quadros com 55 anos ou mais que poderão acordar com a região a suspensão do seu contrato de trabalho em funções públicas, "segundo critérios e fórmulas de cálculo transparentes e que asseguram o tratamento igual a todos trabalhadores com a mesma remuneração bruta e categoria profissional, com a atribuição de uma remuneração que corresponde a uma percentagem da remuneração que auferem no momento atual, mas sem qualquer penalização em termos de aposentação", assevera a fonte do executivo açoriano.

Serão mantidos, portanto, os descontos da entidade patronal para a aposentação e contagem de tempo de serviço "como se estivessem a trabalhar".

"Com o objetivo de reforçar a transparência desse processo, bem como uma decisão informada por parte dos trabalhadores", o Governo Regional está a preparar a disponibilização de um simulador 'online' que "permitirá a cada trabalhador saber quanto poderá receber, caso opte por aderir a esse processo", prosseguiu a fonte à agência Lusa.

Um dos objetivos da medida passa por "incentivar a entrada de novos trabalhadores na administração pública regional, fomentando a criação de emprego e a qualificação dos serviços públicos".

A proposta de resolução que estabelece este processo de pré-reformas está já no gabinete do presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, estando prevista a sua apreciação e votação numa das próximas reuniões do Conselho do Governo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.