Governo apela a soluções na Autoeuropa

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, considera que a situação constitui "um risco para a empresa" e apelou aos trabalhadores e à administração que se entendam a curto prazo.

Mais de 63% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram o segundo pré-acordo sobre os horários de trabalho na fábrica de automóveis de Palmela, no referendo realizado na quarta-feira, com 3.145 votos contra o pré-acordo (63,22%) e 1.749 votos favoráveis.

O ministro do Trabalho disse, na quarta-feira à noite à margem da Gala da Associação Nacional de Jovens Empresários, no Porto, que o impasse na Autoeuropa "não é positivo".

"Obviamente que essa situação não é positiva. (...) Esta é a pior situação na Autoeuropa. É um risco para a empresa, seria ilusório estar a fazer uma afirmação no sentido contrário", sublinhou.

José Vieira da Silva lembrou que esta "não é a primeira vez que existem acordos na Autoeuropa que são afetados por um referendo dos trabalhadores" e sempre foi possível encontrar soluções negociadas.

Segundo o governante, o "tempo escasseia e as soluções têm de ser encontradas num prazo curto".

"Nós apelamos às partes para que aprofundem os seus contactos, para que possam estudar novas situações e que possam junto dos trabalhadores ter uma atuação que valorize a importância que tem este acordo para o futuro da Autoeuropa, daquela região, do país daqueles trabalhadores e das suas famílias, porque é de facto um projeto de futuro que está a ser discutido neste momento", salientou.

Também o ministro da Economia, Caldeira Cabral, disse à margem da mesma Gala que deve ser encontrada uma solução.

"Faço votos para que haja um sentido de responsabilidade e que se possa ainda encontrar uma solução", disse.

O pré-acordo rejeitado na quarta-feira estabelecia os termos do trabalho ao sábado e da laboração contínua (três turnos diários), que deveria ter início depois das férias de agosto de 2018.

Para assegurar a produção estimada do novo veículo produzido em Palmela (T-Roc) a administração da Autoeuropa considera necessária a laboração contínua, bem como o trabalho ao sábado.

Nos plenários realizados na semana passada, muitos trabalhadores contestaram os termos do novo pré-acordo.

Entretanto, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou ainda na quarta-feira que pretende reiniciar o diálogo com a administração da fábrica de Palmela face à rejeição do pré-acordo.

No passado mês de julho, 74% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram um outro pré-acordo sobre os novos horários que tinha sido negociado pela anterior Comissão de Trabalhadores, a que se seguiu uma greve histórica, em 30 de agosto, a primeira por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela do grupo Volkswagen.

A anterior Comissão de Trabalhadores apresentou a demissão face à rejeição do pré-acordo no referendo realizado em 29 de julho.

O trabalho ao sábado (e a remuneração dos sábados, que, nos termos previsto no pré-acordo que foi rejeitado, deixaria de ser pago como trabalho extraordinário), bem como a laboração contínua a partir de agosto de 2018, foram os principais motivos de contestação por parte dos trabalhadores da Autoeuropa.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...