Filiais estrangeiras pagam mais 42,7% a trabalhadores que empresas nacionais em 2021

Em média, remuneração média mensal nas filiais estrangeiras é 396 euros mais elevada do que nas sociedades nacionais.

Os trabalhadores de filiais de empresas estrangeiras em Portugal ganharam em 2021, em média, mais 42,7% do que os das sociedades nacionais, atingindo 1.518 euros, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta terça-feira.

No mesmo período, a produtividade aparente do trabalho (medida pelo valor acrescentado bruto gerado por cada unidade de pessoal ao serviço) foi superior em 69,7% à observada nas sociedades nacionais, atingindo 47.507 euros.

Em 2021, existiam 9.706 filiais de empresas estrangeiras em Portugal (mais 1,8% face a 2020).

As filiais estrangeiras empregavam em 2021 cerca de 585 mil pessoas, representando 17,7% do total de trabalhadores das sociedades não financeiras. Em termos médios, cada filial empregava 60 pessoas em 2021, valor muito superior ao das sociedades nacionais (cerca de seis pessoas).

Entre 2010 e 2021, as filiais estrangeiras registaram, em média, uma produtividade aparente do trabalho superior em 18,3 mil euros à média das sociedades nacionais, sendo a remuneração média mensal sempre superior nas filiais estrangeiras, em média mais 396 euros do que nas sociedades nacionais.

O peso das filiais de empresas estrangeiras no valor acrescentado bruto (VAB) passou de 21,9% em 2010 para 27,6% em 2021, registando-se um decréscimo de 0,2 pontos percentuais nos dois últimos anos.

O volume de negócios das filiais estrangeiras, que representava 24,1% em 2010, atingiu 27,7% em 2021, verificando-se situação semelhante em relação ao pessoal ao serviço, que representava 13,7% em 2010 e passou para 17,7% em 2021, segundo o instituto.

Depois de ter caído 6,7% em 2020, o VAB das filiais estrangeiras em Portugal cresceu 14,8% no ano passado, correspondendo em termos nominais a um total de 28 mil milhões de euros.

Já o VAB das sociedades nacionais cresceu 16,2% em 2021, depois de uma contração de 10,4% no ano anterior.

Quase dois terços (65,1%) do VAB gerado pelas filiais estrangeiras eram relativos a sociedades detidas por entidades sediadas em países da União Europeia.

As filiais de grande dimensão (538 sociedades) foram responsáveis por 64,1% do total do VAB das filiais estrangeiras, correspondendo em termos nominais a 18 mil milhões de euros.

O VAB das filiais estrangeiras com perfil exportador (43,7% do VAB total das filiais estrangeiras) cresceu 19,8% em 2021, contra um aumento de 11,2% nas filiais estrangeiras sem perfil exportador, acrescenta o INE.

As exportações de bens das filiais estrangeiras atingiram 24,1 mil milhões de euros, o equivalente a 37,9% do total, (menos 1,3 pontos percentuais que em 2020).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG