Famílias têm mais dinheiro disponível. Mas pouco

Rendimento disponível das famílias portuguesas subiu 5,7% face ao mínimo de 2014. Na OCDE aumentou 21,2%

Dinheiro não compra felicidade, mas ajuda... pelo menos a elevar os padrões de qualidade de vida. Em Portugal, de acordo com o Índice para uma Vida Melhor, realizado pela OCDE, o rendimento médio disponível líquido das famílias, ajustado per capita, é hoje de 19 882 por ano. São mais 1076 dólares (+5,7%) do que o valor de 2014, quando bateu mínimos dos últimos anos. Mas está muito longe dos 29 016 dólares da média da OCDE, onde o rendimento subiu 21,2% no mesmo período. E há uma diferença importante entre os mais ricos e os mais pobres - os 20% mais favorecidos ganham quase seis vezes mais do que os 20% menos favorecidos.

Portugal apresenta bom desempenho em apenas algumas das 11 medidas de bem-estar do Índice para uma Vida Melhor. Portugal está acima da média na habitação, segurança pessoal e qualidade do meio ambiente, mas abaixo da média no rendimento, estado de saúde, educação e emprego.

Veja-se o exemplo do emprego - 63% dos portugueses com idade entre 15 a 64 anos têm emprego remunerado. Na OCDE são 66%. Em Portugal, 10% dos empregados fazem horas extraordinárias, abaixo dos 13% da média da OCDE. Dado curioso: 13% dos homens trabalham horas extra, contra apenas 7% das mulheres.

Boa educação e qualificações ajudam a conseguir um emprego. Em Portugal, só 43% dos adultos com idades entre 25 e 64 anos concluíram o ensino médio, muito abaixo da média da OCDE (76%) e um dos menores índices entre as 34 economias mais desenvolvidas. Há mais mulheres com o ensino médio (48%) do que homens (39%). E a qualidade do sistema educativo também fica um pouco abaixo da média da OCDE - o aluno médio obteve pontuação de 488 no domínio de leitura, matemática e ciências, no Programa Avaliação de Estudante Internacional (PISA, na sigla em inglês), contra uma pontuação média de 497 na OCDE. Em Portugal, os estudantes do sexo feminino superaram o desempenho dos estudantes masculinos em dez pontos; na OCDE a diferença é de oito pontos.

Mas estamos à frente na saúde e no ambiente. A esperança de vida no nascimento, em Portugal, é de quase 81 anos, mais um ano do que na OCDE. E o nível de PM2,5 atmosféricas - partículas de poluentes do ar pequenas o suficiente para entrar e causar danos aos pulmões - é de 9,9 microgramas por metro cúbico, abaixo dos 14,05 microgramas da OCDE. Portugal apresenta também bom desempenho na qualidade da água: 89% dos portugueses estão satisfeitos com a qualidade da água, acima da média de 81% da OCDE.

São números que mostram por que é que os portugueses estão menos satisfeitos com as suas vidas. Numa escala de zero a dez, os portugueses classificam-se num nível de 5,1 quanto à satisfação com a vida que têm. É a taxa mais baixa da OCDE, cuja média é de 6,5.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.