Exportações de vinho caíram 1,1% em 2016

Vendas para Angola caíram 55% em relação ao ano anterior. Crescimento nos EUA, Canadá, China ou Rússia não compensou

Em compensação, mercados como o dos Estados Unidos, da Holanda, da Alemanha ou do Canadá registaram acréscimos significativos, que variam entre os 1,9% e os 8,7%. Mas há também boas performances em alguns dos novos destinos, como a China, que cresceu 23,7%, ou a Federação Russa, que mais do que duplicou as compras: "Não deixa de ser um ótimo sinal o crescimento obtido em mercados como o dos Estados Unidos, do Canadá ou da China", destaca Frederico Falcão, que defende, no entanto, a necessidade de os operadores não desistirem de Angola. "Há que continuar a investir. Todos sabemos que é uma economia muito dependente do preço do petróleo, mas todas as estimativas apontam para uma retoma. É uma aposta que não deve ser abandonada, até porque o governo angolano tem estado a tomar medidas para diversificar o PIB", sublinha o presidente do IVV, que se mostra positivo quanto a 2017. "Só temos razões para olhar para o futuro de forma risonha."

Além de Angola, quebras também no mercado belga e moçambicano. Mais significativa é o desempenho do mercado britânico, para o qual as exportações cresceram 6% em quantidade, num total de quase 205 mil hectolitros, mas caíram 2,7% em valor, para 75,3 milhões de euros - um efeito do brexit. O DN/Dinheiro Vivo tentou obter comentários à evolução das exportações junto da ViniPortugal, mas sem sucesso.

Vinho verde a crescer há 12 anos

As exportações de vinho verde cresceram, neste ano, quase 10%, totalizando 59,8 milhões de euros. É o 12.º ano consecutivo dos verdes a bater máximos históricos nos mercados internacionais, sendo certo que as exportações já valem quase 50% das vendas totais da região.

Mais importante, diz o presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), é o facto de 60% dos vinhos tranquilos (ou seja, retirados os licorosos como o vinho do Porto e o Madeira) vendidos por Portugal para os Estados Unidos serem verdes. "Foi um ano de grande exposição dos vinhos verdes no mundo e precisamos que a economia mundial se encoraje para continuarmos a crescer", diz Manuel Pinheiro.

O próximo passo é conseguir que os vinhos verdes se posicionem, lado a lado, junto das grandes regiões mundiais como uma categoria nas prateleiras do retalho: "Somos perseverantes e acreditamos que, claramente, estamos no caminho certo", frisa.

Com um plano de promoção anual orçado em 3,1 milhões de euros, os verdes vão, em 2017, apostar num novo mercado: a Dinamarca. "Com o brexit, os fundos comunitários vão deixar de estar disponíveis para financiar ações de promoção no mercado britânico. Vamos, por isso, alocar parte dessas verbas - ainda não temos definido qual será, exatamente, o investimento no mercado dinamarquês, onde temos uma presença pequena, mas esperamos que venha a crescer", diz Manuel Pinheiro. As vendas de vinho verde para a Dinamarca mais do que duplicaram em relação a 2015, mas valem, apenas, 711 mil euros.

Douro com performance mista

As exportações de vinhos da Região Demarcada do Douro caíram 0,4% em quantidade - "inferior à quebra nacional", destaca Manuel Cabral, do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto -, mas em valor cresce 1,3 , atingindo os 365 milhões de euros.

Distinto foi o comportamento do vinho do Porto e dos vinhos do Douro. Estes últimos cresceram 5,8% em quantidade e 5,8% em valor, para um total de 55 milhões de euros, com o preço médio a manter-se quase inalterado nos 4,24 euros. Já o vinho do Porto cai 1,5% em quantidade, mas sobe 0,6% em valor, atingindo os 307,5 milhões de euros. Mais importante, o preço médio do vinho do Porto exportado reforçou-se 2,1% e é agora de 4,75 euros.

"Fazemos um balanço positivo de 2016. Claro que queremos sempre mais, mas, dadas circunstâncias do mercado e as tendências internacionais a nível de gosto e de grau alcoólico dos consumidores, só podemos dizer que as coisas nos estão a correr bem", diz Manuel Cabral. Que lembra o reforço das categorias especiais nas exportações de porto: "Nos últimos quatro anos, as categorias especiais estabilizaram com uma quota acima dos 20% em termos de quantidade, mas acima dos 40% em termos de valor."

O plano de promoção do IVDP para 2017 é de 1756 milhões de euros, e as principais apostas em relação a mercados são Portugal, Grã-Bretanha, França, Brasil, EUA, Canadá e China. Quanto a ações, Manuel Cabral destaca a presença nas feiras da Prowein (Alemanha) e da Vinexpo (França), bem como os certames organizados na Ásia. Em Portugal, sublinha a formação a profissionais de restauração, com o programa Saber Servir, Vender Melhor, bem como a organização do Portugal Wine Day, entre outras iniciativas.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.