EUA ultrapassam China e Portugal e são principal fornecedor de Angola

As importações de Angola registaram uma queda de 41% face ao mesmo período no ano passado

Os Estados Unidos subiram ao primeiro lugar da origem das importações angolanas no primeiro trimestre de 2016, ultrapassando a China e colocando Portugal no terceiro lugar, indicam dados de um relatório do Ministério das Finanças, compilados hoje pela Lusa.

Globalmente, no primeiro trimestre do ano, o valor aduaneiro das importações angolanas cifrou-se em 494 mil milhões de kwanzas (2,7 mil milhões de euros), uma quebra de 41 por cento face ao mesmo período de 2015.

As empresas norte-americanas exportaram para Angola, neste período, bens e serviços no valor de 80,9 mil milhões de kwanzas (442 milhões de euros), um aumento de 62%.

Este crescimento foi suficiente para o fornecimento do mercado norte-americano chegar ao primeiro lugar da lista, mas será conjuntural, resultando da aquisição de turborreatores, turbopropulsores e outras turbinas a gás pela empresa pública de produção de eletricidade Prodel.

A crise financeira, económica e cambial em Angola, decorrente da quebra nas receitas com a exportação de petróleo, provocou um forte corte nas importações angolanas, com a generalidade dos países a apresentaram quebras nestes negócios.

É o caso da China, que fechou o ano de 2015 como principal fornecedor angolano, que viu o valor total das exportações descer 47%, no primeiro trimestre deste ano, para 69,7 mil milhões de kwanzas (381 milhões de euros).

No terceiro lugar das importações por Angola está agora Portugal, que até 2014 liderava esta tabela, tendo garantido entre janeiro e março últimos menos 19% do volume do ano anterior, descendo para 66,2 mil milhões de kwanzas (362 milhões de euros).

O relatório do Ministério das Finanças refere ainda que no primeiro trimestre as exportações globais angolanas foram, em valor, de 457 mil milhões de kwanzas (2,5 mil milhões de euros), uma redução de 51% face ao ano de 2015.

Deste total, o setor petrolífero garantiu 385,4 mil milhões de kwanzas (2,1 mil milhões de euros) e a exportação de diamantes 30,5 mil milhões de kwanzas (166,8 milhões de euros).

A China continua a liderar entre os destinos das exportações angolanas, essencialmente petróleo bruto, com 192 mil milhões de kwanzas (1.050 milhões de euros) no primeiro trimestre, o que representa uma quebra homóloga de 50%, em termos de valor.

Seguem-se as exportações para os Estados Unidos, que desceram 49%, para os 75,2 mil milhões de kwanzas (411 milhões de euros), e os Emirados Árabes Unidos, que aumentaram as compras a Angola em 61%, para 27,1 mil milhões de kwanzas (148,2 milhões de euros).

Portugal desceu para oitavo lugar nas compras a Angola, tendo feito negócios no valor de 16,1 mil milhões de kwanzas (88 milhões de euros) no primeiro trimestre, uma descida de 54%.

De acordo com estes dados, o saldo da balança comercial angolana foi negativo em 37 mil milhões de kwanzas (mais de 200 milhões de euros).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.