EMEL irá fiscalizar à noite apenas estacionamento em zonas para residentes

Alargamento da fiscalização será implementado em 2018, mas a data precisa ainda não está definida. Não está previsto o alargamento de zonas com tarifa noturna

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) irá estender o horário de fiscalização no próximo ano, para as 24 horas, mas apenas em zonas de estacionamento exclusivo para residentes, avançou a empresa à Lusa.

Numa resposta escrita enviada à agência Lusa, a EMEL aponta que este alargamento irá ser implementado em 2018, mas "a data exata de entrada em vigor destas medidas ainda não está definida".

"A extensão do horário da fiscalização do estacionamento para um período de 24 horas destina-se a zonas de estacionamento exclusivo para residentes", lê-se no texto.

Ou seja, este alargamento estende-se a "todas as ruas que apresentem uma placa adicional ao sinal de estacionamento com essa informação".

"Esta placa adicional exclui qualquer possibilidade de estacionamento a viaturas sem dístico válido de residente dessa zona", aponta a mesma fonte, acrescentando que "as placas adicionais poderão comunicar um horário das 19:00 às 09:00 em que o estacionamento na via pública é reservado a residentes com dístico, mantendo-se o estacionamento tarifado no horário habitual".

A EMEL vinca também que "não está previsto o alargamento de zonas com tarifa noturna".

Quanto aos recursos utilizados para a fiscalização noturna, será utilizada "uma componente tecnológica de leitura ótica de matrículas, que não exige contratação de mais fiscais".

Neste campo, a empresa admite que, "com a expansão prevista das áreas de intervenção da EMEL em 2018, poderão surgir mais áreas exclusivas a residentes que exigirão fiscalização noturna" e, nesse caso, "será feito o reforço da componente tecnológica com a aquisição de mais equipamentos".

Uma vez que "só os residentes com dístico válido poderão estacionar na via pública nas referidas zonas", a EMEL aproveita para chamar a atenção dos automobilistas "para terem o cuidado de verificar se existem ou não placas adicionais de zona exclusiva a residentes antes de efetuarem o estacionamento".

Este alargamento da fiscalização é justificado pela empresa municipal de estacionamento da capital com a necessidade de responder "às necessidades identificadas nas diversas freguesias onde mais se faz sentir a procura de estacionamento noturno, com claro prejuízo para os residentes".

"O objetivo é defender os seus direitos de mobilidade e estacionamento", salienta a nota.

A EMEL esclarece ainda que, no próximo ano, a sua intervenção "continuará a estar limitada às zonas concessionadas da cidade de Lisboa, com estacionamento ordenado e tarifado, de acordo com o plano de execução em curso".

De acordo com o Plano de Atividades e Orçamento da empresa para 2017, ao qual a Lusa teve acesso, a EMEL espera "criar e gerir cerca de 20.000 novos lugares de estacionamento ordenado na via pública" até ao final do ano.

Para este ano está também previsto o desenvolvimento do "sistema de leitura ótica de matrículas", refere o mesmo documento.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.