Eleições Europeias, alterações climáticas e o próximo quadro financeiro

Um dos problemas do próximo quadro financeiro plurianual é que as negociações para o mesmo decorrem em pleno ano eleitoral. Em Portugal temos a agravante do ciclo eleitoral ter este ano três eleições – sabemos que geralmente o bom senso e a razoabilidade não imperam em período eleitoral. Infelizmente é o quadro e o timing que temos – certo é que o orçamento comunitário irá reflectir as escolhas políticas que agora se fizerem. Até agora, em Portugal o debate tem-se centrado sobretudo na possível perda de fundos estruturais – que parece ser inaceitável para todos. Esgrimem-se argumentos sobre a proposta inicial da Comissão e se o governo aceitou ou não perder 1600 milhões de euros, que todos os euro deputados consideram inaceitável.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.