Deutsche Bank pondera sair de Portugal e Espanha

Venda das unidades de negócio na Península Ibérica poderá render 2000 milhões ao banco alemão, em dificuldades financeiras

Portugal poderá, em breve, deixar de contar com a presença do Deutsche Bank. O site espanhol El Confidencial avançou ontem que o banco alemão está a ponderar vender as suas filiais não só em Portugal mas também em Espanha, estando já a sondar possíveis interessados. A venda das duas unidades de negócios poderá render cerca de dois mil milhões de euros, de acordo com fontes próximas da operação citadas pelo El Confidencial.

Os responsáveis do Deutsche Bank na Alemanha não confirmaram a possível venda das operações na Península Ibérica. Contactados pelo DN/Dinheiro Vivo, o Deutsche Bank Portugal também não quis fazer comentários.

Este seria um encaixe de capital importante para o banco alemão que anunciou, no último fim de semana, que vai aumentar o capital em 8000 milhões de euros, com vista a melhorar os rácios de capital da instituição e manter o Postbank, que detém 14 milhões de clientes. Em 2016, o Deutsche Bank registou prejuízos de 1402 milhões de euros, em grande parte devido às multas milionárias que foi obrigado a pagar nos EUA pelo seu papel na crise imobiliária iniciada em 2007, agravando ainda mais as suspeitas do mercado sobre um eventual cenário de insolvência.

O presidente do Deutsche Bank, John Cryan, já tinha afirmado que as decisões tomadas são "um passo importante" para tornar o banco "mais forte e poder crescer de novo". "O aumento do capital melhorará notavelmente a nossa força financeira. Com o reforço da estrutura de capitais devemos estar posicionados da melhor maneira para aumentar as receitas e o lucro", salientou o gestor.

A estratégia do Deutsche Bank vai também passar por uma mudança da sua estrutura de negócio, concentrando-se em três áreas: banca privada e financiamento empresarial, gestão de ativos e banca de investimento, consultoria e financiamento de grandes empresas. Em cima da mesa está ainda um plano de venda de parte da sua carteira de ativos.

Em Portugal, o relatório e contas de 2015 do Deutsche Bank dá conta da existência de 427 trabalhadores e receitas líquidas (volume de negócios) de 79 milhões de euros. No ano passado, a sucursal do Deutsche Bank em Portugal sofreu um processo de reestruturação, com a diminuição do número de trabalhadores e o fecho de 15 dos 55 balcões, sobretudo nas cidades de Lisboa e do Porto. Na altura, o plano de ajustamento foi justificado pela reestruturação em curso a nível internacional. A sucursal do Deutsche Bank em Portugal gerou, em 2015, lucros de cerca de 15 milhões de euros.

Já em Espanha, adianta o El Confidencial, o gigante alemão tem 16 mil milhões de euros em ativos, a grande maioria clientes de banca privada, um segmento de mercado mais rentável e que permitirá obter um bom preço pela venda da filial. No mercado espanhol, o Deutsche Bank conta com cerca de 700 mil clientes, 2600 trabalhadores e 230 balcões em todo o país.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras