Crédito à habitação cresceu quatro vezes em cinco anos

Os portugueses estão a comprar mais casas animados pelos sinais de retomada economia e pelas taxas de juro baixas. O valor dos empréstimos é já o mais alto desde 2010

Os bancos, passada a crise financeira, estão de novo a abrir a torneira do crédito à habitação. Os empréstimos para compra de casa somaram, no ano passado, 8259 milhões de euros, um crescimento de 327% em relação em 2012, quando bateu um mínimo de 1935 milhões, na ressaca da austeridade imposta pela troika. O crédito multiplicou quatro vezes em apenas cinco anos e atingiu o valor mais alto desde 2010. Esta subida explica-se pela recuperação da economia e do emprego, pela baixas taxas de juro e pela valorização dos imóveis, muito à custa da procura de estrangeiros, à boleia do turismo e dos vistos gold. No mesmo período, o crédito ao consumo subiu 110%; os empréstimos às empresas caíram 36,7%, de acordo com o Gabinete de Estratégia e Estudos, do Ministério da Economia.

"É preciso desmistificar" estes dados. Em 2012 tínhamos um país intervencionado, não havia crédito", explica Luís Lima, presidente da APEMIP, a associação das empresas de mediação imobiliária. O volume dos empréstimos para a compra de habitação "não significa uma recuperação", na medida em que os montantes emprestados estão ainda muito longe dos valores anteriores à crise. "Está-se a partir de uma base muito baixa", sublinhou. Em 2007, a banca emprestou 19 630 milhões de euros para a compra de casa.

E não vê qualquer sinal para alarmismos, nem o perigo de uma bolha imobiliária. "O crédito que se está a conceder hoje não é crédito fácil", atualmente os bancos "já não emprestam 100% do valor da casa, as avaliações são restritivas, os compradores têm de ter 20% a 30% do montante para o sinal". Luís Lima admite que haja "o receio de que se cometa os erros do passado", mas "os bancos estão a cumprir todos os requisitos".

O Banco de Portugal tem-se mostrado preocupado com o ritmo acelerado da nova concessão de crédito, alertando para o risco de algum facilitismo pelos bancos. A instituição liderada por Carlos Costa chamou já a atenção para os efeitos negativos do elevado endividamento dos particulares, sobretudo num contexto em que os juros venham a aumentar. Teme um agravamento do malparado.

O aumento do crédito concedido, e a subida dos preços na avaliação bancária, que em dezembro atingiu 1150 euros o metro quadrado, o valor mais alto desde junho de 2011, está, na verdade, a provocar um agravamento do capital em dívida - no fim do ano passado, os portugueses deviam, em média, aos bancos 51 690 euros de crédito à habitação; em abril de 2017, o valor em dívida tinha registado um mínimo de 51 512 euros. O crescimento dos empréstimos justifica--se tanto pelo aumento do número de operações como do valor de cada empréstimo, diz o GEE.

Luís de Lima considera que é a classe média que está por detrás do aumento da procura de crédito, uma vez que os portugueses não têm outra alternativa que não seja a compra de casa própria. O mercado do arrendamento é muito limitado e os preços não são sustentáveis. E lembra que os estrangeiros não compram com recurso a crédito. "Os investimentos estrangeiros têm por base capitais próprios."

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?