Comissão Europeia quer ouvir Centeno "muito rapidamente"

O novo ministro das Finanças terá de explicar quais as intenções do governo

No dia em que o novo Governo assume funções, Portugal volta a constar numa lista de países da zona euro que precisam de corrigir desequilíbrios macroeconómicos. O comissário dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, prepara-se para "muito rapidamente" entrar em contacto com o Governo, em particular com Mário Centeno, que hoje assume funções no Ministério das Finanças.

"Vamos entrar em contacto com o novo ministro das Finanças muito rapidamente, para ver quais são as intenções que têm e as intenções do Governo sobre os prazos europeus e sobre o respeito dos compromissos europeus, da parte de Portugal, e que o primeiro-ministro confirmou nesta fase", disse Moscovici, enquanto aguarda para "ver em que condições as coisas serão feitas".

"Não temos qualquer razão para suspeitarmos a priori. Também nenhuma razão para darmos um cheque em branco por antecipação", afirmou.

"Vamos simplesmente esperar que o governo esteja formado. Para um governo estar operacional, demora quinze dias. Será preciso trabalhar uns 15 dias. Se for mais rápido melhor", salientou o comissário.

Já o comissário do euro, Valdis Dombrovkis, espera que Mário Centeno não se esqueça que Maria Luís Albuquerque não enviou o projeto de orçamento do Estado e que o novo ministro das Finanças regularize a situação o quanto antes, "uma vez que estamos a adotar as nossas opiniões sobre os projetos orçamentais". E acrescenta: "Como se sabe, não há qualquer documento entregue por Portugal, não há nada para nos pronunciarmos", lembrou Dombrovkis.

"Estamos a apelar ao envio do documento tão depressa quanto possível. Vamos entrar em contacto com o novo Governo português e encorajá-los para enviarem o plano sem mais atrasos", disse o comissário, numa insistência já dirigida ao novo executivo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG