China retalia na guerra comercial com os EUA e impõe mais 75 mil milhões em tarifas

Estado chinês responde a ameaças dos Estados Unidos com novas tarifas para bens americanos estimadas em 75 mil milhões de dólares (quase 68 mil milhões de euros)

A China subiu o tom na chamada "guerra" comercial com os Estados Unidos e anunciou esta sexta-feira a implementação de tarifas extras sobre 75 mil milhões de dólares em produtos importados daquele país. Este é mais um capítulo na mais recente escalada de uma longa guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

De acordo com o Ministério do Comércio da China, serão então impostas tarifas adicionais de 5% ou 10% sobre um total de 5.078 produtos com origem nos Estados Unidos, que incluem produtos agrícolas, petróleo, aviões de pequeno porte e carros. Alguns dessas tarifas entrarão em vigor já a 1 de setembro e outras só serão postas em vigor a 15 de dezembro.

As datas são precisamente as mesmas em que estão previstas que entrem em vigor as tarifas impostas pelos Estados Unidos aos produtos chineses. Anunciada no início do mês pelo presidente Donald Trump, a medida deveria incidir sobre cerca de 300 mil milhões em produtos importados, mas alguns dos produtos foram entretanto removidos da lista.

Será em dezembro que entra em vigor nos EUA a tarifa extra para smartphones, portáteis, consolas de jogos, alguns brinquedos, monitores de computador e alguns produtos de calçado e vestuário.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.