Centeno: portugueses trabalham muito e são baratos

Economia não cresce mais por causa do sistema bancário. Não está a funcionar corretamente, acusa ministro das Finanças

Portugal é bom para fazer investimentos porque "os portugueses são os que mais horas trabalham na Europa", além de serem muito baratos quando comparados com os franceses, por exemplo, disse ontem o ministro das Finanças a uma plateia de gestores, em Lisboa.

No encontro, um almoço-debate organizado pelo Fórum de Administradores de Empresas, Mário Centeno ouviu queixas relativamente a medidas como a intenção de repor o horário de trabalho no Estado de 40 para 35 horas, de devolver a majoração de três dias de férias aos trabalhadores por conta de outrem (revogada pelo anterior governo), à falta de apoios ao investimento, designadamente à lentidão na atribuição de fundos europeus.

O ministro não tardou na resposta: "O salário mediano em Portugal é um terço do francês. Esta diferenciação salarial não existe em mais nenhuma área monetária; nos Estados Unidos a dispersão salarial máxima é entre Mississippi e Boston, Massachusetts, e é um rácio de dois terços."

E rematou, dizendo que "os portugueses são, de todos os trabalhadores da Europa, os que trabalham mais horas. Trabalhamos mais 25% de horas do que os noruegueses, do que os alemães. Somos, em número de horas de trabalho, concorrentes com o Japão e os EUA".

Para Mário Centeno, esta "é a força que temos de aproveitar no momento em que colocamos decisões de investimento em cima da mesa".

Minutos antes, Luís Mira Amaral, presidente do Conselho da Indústria Portuguesa da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), sublinhara que "a paragem do investimento é o que me preocupa". Fernando Mendes, empresário e gestor, perguntou "como é que o governo vai resolver o problema de capital da CGD de quatro mil milhões de euros".

O ministro respondeu que a economia não cresce mais por causa do sistema bancário e financeiro, que não está a funcionar corretamente. E disse que Caixa tem de ser um banco ao serviço do país (ver página 10). "Outras economias que passaram por programas de ajustamento semelhantes ao nosso [Irlanda, por exemplo] estão hoje a crescer muito mais porque têm um sistema financeiro que funciona", declarou, remetendo para a necessidade de capitalizar a CGD e para a libertação urgente de fundos do sistema financeiro, com o apoio de fundos europeus, para viabilizar empresas e recapitalizá-las.

O ministro não se comprometeu com qualquer valor para o custo da capitalização da CGD, mas garantiu que o banco "terá de permanecer público e o governo quer que continue a ser público", mas "tem de ser um banco e tem de ser posto ao serviço da economia". Referiu também que o governo quer lançar novos "instrumentos orientados para o reforço do capital e quase capital das empresas", "importantes incentivos ao recurso aos capitais próprios - como a dedutibilidade destas despesas nos impostos".