Bancos têm dinheiro a custo zero do BCE mas travam empréstimos às empresas

Instituições têm 18,6 mil milhões emprestados pelo Banco Central Europeu a custo zero e poderão ir buscar até mais 31,4 mil milhões a partir de junho

O crédito dado pelos bancos a operar em Portugal às empresas privadas está em queda contínua desde 2010. No entanto, a banca tem ido buscar crédito barato ao Banco Central Europeu (BCE) e os depósitos junto da instituição até superam já os empréstimos em curso. Esse dinheiro depositado fica ali parado, não passando para a economia. Situação que poderá agravar-se, uma vez que o BCE promete que, a partir de junho, irá emprestar mais e com um juro de 0% ou até negativo, sem obrigar a banca a devolver as "sobras" que não sejam transformadas em crédito.

Quanto é que os bancos portugueses têm em volume de empréstimos junto do BCE? Eram 18,6 mil milhões há um mês, acima dos 15,4 mil milhões de fevereiro do ano passado. E quanto é que está depositado no BCE, isto é, parado sem render qualquer euro à economia ou à própria banca nacional (a taxa de juro é negativa)? São 25,9 mil milhões mil milhões, valor que está a aumentar desde novembro de 2015. O circuito do dinheiro devia terminar nas empresas privadas, mas estas, apesar de terem um volume de crédito de 81,3 mil milhões, estão a receber menos desde 2010.

A Associação Portuguesa de Bancos, a Caixa Geral de Depósitos, o BPI e o BCP preferiram não reagir, não tendo sido possível chegar à fala com o Santander Totta, mas fontes ligadas ao setor não deixaram de sublinhar que o problema pode estar mais na procura de crédito por parte das empresas e menos na vontade da banca em travar os empréstimos.

"Há dinheiro e crédito disponível para as empresas, em todos os bancos, para projetos bons, mas não há apetite, não há procura. Não é só em Portugal, mas é natural que depois de uma crise as pessoas não queiram tomar muito risco neste momento, preferem ter um balanço mais equilibrado", refere uma fonte ligada a um dos maiores bancos a operar no país.

"A situação é quase paradoxal: os bancos estão inundados de dinheiro vindo do BCE, a um preço [taxa de juro] de 0%, mas nem por isso estão a conceder mais crédito. Só os governos é que podem ajudar, diminuindo impostos e cortando despesa pública", sugere Paulo Rosa, economista e quadro do Banco Carregosa. "Como num outro qualquer setor, os bancos tentam vender crédito a um preço superior ao que compraram ao BCE ou captaram através dos depósitos aos seus clientes. E como acontece com outros bens ou serviços, a propensão para o consumo aumenta à medida que o preço diminui. Os agentes económicos só tomarão novo dinheiro se esse crédito for mais barato", acrescenta.

Portugal tem a hipótese de ir buscar até 31,4 mil milhões de euros em empréstimos de longo prazo - os chamados targeted long-term refinancing operations (TLTRO), agora em versão 2.0 - a partir de junho. Os cálculos pertencem a Silvia Merler, investigadora do Bruegel, think tank sediado em Bruxelas. Os bancos a operar em Portugal obedecem à mesma regra dos seus parceiros da zona euro: podem ir buscar um montante equivalente a 30% dos empréstimos em curso a 31 de janeiro de 2016 (antes era apenas 7%). Esta é a boa notícia.

A má é igualmente dada por Silvia Merler. Na versão anterior, que começou em setembro de 2014, exigia-se aos bancos o reembolso ao BCE das quantias não utilizadas para empréstimos à economia. "O TLTRO 2.0, pelo contrário, não prevê qualquer mecanismo desse tipo. A razão para esta mudança é pouco clara e parece contradizer a lógica destes empréstimos", afirma.

"Os bancos emprestam à economia, mas também aplicam numa carteira própria de ações e obrigações. As medidas do BCE, nomeadamente as anunciadas a 10 de março, vão continuar a inflacionar o mercado de capitais, sem um reflexo na economia real", avisa Paulo Rosa.
"O investimento não arrancou e a inflação está muito longe dos 2%. A culpa é dos bancos? Queremos emprestar, mas não pode ser numa lógica de porta aberta. Somos presos por tomar risco e pelo seu contrário", refere uma fonte do setor.