Anúncios a séries no Netflix revoltam utilizadores

Empresa de streaming diz que é possível ir diretamente para o conteúdo que se pretende visualizar, evitando anúncios

A plataforma de streaming Netflix começou a mostrar anúncios a conteúdos disponíveis no serviço entre filmes e séries. "Estamos a testar de que forma é que as recomendações entre episódios ajudam os assinantes a descobrir mais rapidamente certas histórias de que vão gostar", justificou ao site ARS Technica fonte oficial da empresa.

No entanto, a medida foi alvo de críticas por parte de alguns utilizadores. Nas redes sociais alguns dizem que não faz sentido, uma vez que este é um serviço pago por subscrição.

"Há alguns anos introduzimos trailers na experiência de televisão, porque reparámos que eles reduziam significativamente o tempo que os membros gastam a procurar conteúdos", disse a empresa num comunicado, garantindo que os utilizadores podem saltar diretamente para o conteúdo que pretendem ver.

Esta medida já fez alguns utilizadores ameaçar abandonar o serviço. "Agora, o Netflix está a mostrar anúncios aos seus próprios programas. É tempo de cancelar a minha subscrição", escreveu um utilizador no Twitter. "Adoro o Netflix e sou assinante há vários anos. Mas se começarem a ter anúncios, mesmo se os poder saltar, irei cancelar a minha conta", disse outra assinante na mesma rede social.

Não se sabe se o Netflix está a testar estes anúncios em todos os mercados ou apenas nos anglófonos, já que há relatos de países como os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.