Ano Novo traz promessa de mais recordes nas exportações

Governo e empresas acreditam que vendas para o estrangeiro podem representar 50% do PIB já em 2025

No mercado "Portugal" há fruta e legumes, roupas e sapatos, máquinas, combustíveis ou automóveis. Clientes não lhe faltam. Só em outubro, as vendas para o estrangeiro aumentaram 11,8%, somando 5000 milhões de euros. Nos primeiros 10 meses de 2017 ultrapassaram os 45 mil milhões, mais 4,4 mil milhões (+10,8%) que no mesmo período de 2016. Se não houver surpresas, o ano irá fechar com exportações de bens na casa dos 55 mil milhões. Sem contar os serviços. Com o turismo somado passará dos 43% do PIB.

E a meta para os próximos anos está traçada: até 2025, as exportações nacionais terão de valer 50% do PIB. Governo e empresas estão em sintonia e acreditam que a missão será cumprida. E que 2018 vai ajudar às contas. "Confio que, se não existirem surpresas, as exportações, a par com o investimento, vão continuar a ser o motor que vai puxar pela economia", adianta ao DN/Dinheiro Vivo Paulo Nunes de Almeida, presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP).

E já sabe onde apostar todas as fichas. "Acho que o crescimento vai centrar-se nos setores da metalomecânica, têxtil e vestuário, calçado, agroalimentar e mobiliário. No fundo, são os setores em que Portugal tem demonstrado uma capacidade competitiva acrescida nos últimos anos. E também não podemos esquecer a parte dos serviços, que hoje já assume fatia muito importante no peso das exportações, com o turismo à cabeça."

Os últimos dados do INE confirmam os prognósticos. A metalurgia e metalomecânica está a bater recordes. Em outubro, o volume de exportações foi o terceiro maior de sempre, perto de 1500 milhões de euros. O setor terá terminado o ano com vendas para o estrangeiro superiores a 16 mil milhões. O vestuário segue a mesma tendência. Os empressários estimam que 2017 terá sido o melhor ano de sempre, com as exportações a ultrapassarem os 5,2 mil milhões de euros. Na cortiça, que já em 2016 tinha batido recordes, as vendas para o exterior terão ficado muito próximas dos mil milhões de euros.

Para o presidente da AEP, o céu só não é o limite porque este ainda não faz importações. "Acreditamos que, a médio prazo, a intensidade exportadora poderá mesmo atingir 50% do PIB. É um desafio grande mas também é um desígnio que mobiliza todos, desde as associações empresariais até às próprias empresas, que estão hoje muito vocacionadas para os mercados internacionais. E as perspetivas para a economia mundial levam-nos a acreditar que 2018 vai ser um bom ano", vaticina. Por cá as empresas que queiram dar o salto já terão ao dispor os anunciados 600 milhões da Linha Capitalizar Exportação.

Exclusivos