"Algo deve ser feito para resolver a questão dos bancos", diz Durão Barroso

O ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Comissão Europeia não conhece a proposta de António Costa.

O ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso recusou hoje comentar a criação de um veículo para ativos tóxicos da banca, mas defendeu que "algo deve ser feito em Portugal para resolver a questão dos bancos".

"Não conheço essa proposta [do primeiro-ministro António Costa], não posso, pois, comentá-la. O que posso dizer é que algo deve ser feito em Portugal para resolver a questão dos bancos", disse José Manuel Durão Barroso à imprensa, à margem de uma conferência em Lisboa.

O também ex-primeiro-ministro português justificou essa necessidade afirmando que "a situação da banca portuguesa continua difícil apesar de todos os esforços feitos" e que "é do interesse português e europeu" encontrar uma solução.

"Para que haja plena confiança na banca portuguesa e para que não continuem a surgir notícias (...) sobre este ou aquele banco, num caso recente, a resolução de um banco", disse.

Durão Barroso frisou neste contexto o papel essencial do sistema bancário português enquanto "principal meio de financiamento da economia".

O ex-presidente da Comissão Europeia (2004-2014) referiu contudo que os problemas de competitividade não se resumem ao sistema bancário, defendendo a prossecução de "reformas estruturais", mas repetiu que "é sem dúvida um problema", para concluir: "Se houver propostas interessantes e inteligentes para o resolver, muito bem".

O primeiro-ministro português, António Costa, defendeu no domingo, numa entrevista ao DN e à TSF, que é "útil para o país encontrar um veículo de resolução do crédito malparado".

"Acho que era útil para o país encontrar um veículo de resolução do crédito malparado, de forma a libertar o sistema financeiro de um ónus que dificulta uma participação mais ativa nas necessidades de financiamento das empresas portuguesas", explicou.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.