Aeroporto de Lisboa vai ter abastecimento por oleoduto em 2021

O ministro do Ambiente anunciou que será construído um oleoduto para abastecer o aeroporto de Lisboa, que aproveitará uma conduta de água existente, num investimento de cerca de 40 milhões de euros para estar concluído em 2021.

"Esse oleoduto vai ser construído, aproveitando a conduta do Alviela, da EPAL, que passa tangente ao grande armazém da CLC [Companhia Logística de Combustíveis, em Aveiras] e vai até dois a três quilómetros do aeroporto [de Lisboa]. Esta conduta de água está neste momento a ser desativada", afirmou João Pedro Matos Fernandes, que está a ser ouvido na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Este oleoduto estará construído até ao final do primeiro semestre de 2021, e representa um investimento de cerca de 40 milhões de euros, acrescentou o governante em resposta ao deputado do CDS-PP Hélder Amaral.

"Não vinha anunciar aqui nada hoje, mas não podia deixar de responder diretamente à sua pergunta", disse o ministro, aludindo à questão sobre o risco de abastecimento que foi vivido no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, aquando da greve dos motoristas de matérias perigosas.

Matos Fernandes admitiu que "há perguntas para as quais" não tem resposta, nomeadamente no que tem a ver com a negociação com a ANA, empresa gestora do aeroporto de Lisboa, mas mostrou-se otimista, uma vez que "todos estarão interessados que venha a ser feito [o oleoduto]".

O ministro afirmou que "há uma intenção já declarada por parte da CLC de construir este oleoduto", mas antes tem que ser definido se se trata de transporte ou de distribuição [de combustíveis], uma vez que se for o segundo caso terá que ser realizado um concurso público.

"Se for transporte não há razão para que não seja a CLC desde que pague com justiça o terreno da EPAL, que é de todos nós", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.