Aeroporto. Adiamento custa cerca de 7000 M€ e 28 mil empregos

"É uma grande infraestrutura nacional que é urgente", defende Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal, que encomendou este estudo.

O adiamento do novo aeroporto custa cerca de 7.000 milhões de euros e 28.000 empregos "no cenário mais otimista", de acordo com o estudo da EY para a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) hoje divulgado.

Este é "um problema que se arrasta há muitos, muitos anos", afirmou o presidente da CTP, Francisco Calheiros, que falava na apresentação das conclusões do estudo "Impacto económico da não decisão sobre a implementação do novo Aeroporto de Lisboa", que está a decorrer em Lisboa.

Francisco Calheiros salientou que a importância do novo aeroporto não é só para o turismo, afirmando que é "uma infraestrutura nacional extremamente importante" para a economia portuguesa e para outras atividades.

"É uma grande infraestrutura nacional que é urgente", acrescentou, salientando que se discute há tempo de demais o novo aeroporto e que "é altura de dar um basta".

O estudo analisa quatro cenários.

Segundo o estudo, "tendo em conta o tempo necessário até à operacionalização de um novo aeroporto, a procura não satisfeita pelo Aeroporto Humberto Delgado implicará custos muito significativos durante os próximos anos, em especial no setor do turismo, mas também indiretamente em toda a economia portuguesa".

No cenário onde os impactos económicos "são mais plausíveis no tempo" -- Portela+1, disponível em 2028 e existindo uma recuperação mais rápida da procura) --, "estima-se que a perda potencial acumulada de riqueza gerada (VAB) até 2027 atinja os 6,8 mil milhões de euros, associada em média a menos 27,7 mil empregos anualmente e a uma perda de receita fiscal estimada em 1,9 mil milhões de euros".

Ou seja, somando ao VAB não realizado os impostos não cobrados, "o país pode vir a perder cerca de 9.000 milhões de euros até 2027", refere o estudo.

As perdas económicas poderão atingir 0,77% do Produto Interno Bruto (PIB) e 0,95% no emprego, "neste cenário de decisão adiada e recuperação rápida".

Já num cenário extremo -- em que a procura turística ultrapassa a registada em 2019 e em que a decisão sobre a construção do novo aeroporto na região de Lisboa continua adiada (cenário Portela+1 ou novo aeroporto disponível em 2034 e recuperação da procura em 2023) -- "estima-se que os impactos globais acumulados no VAB deverão atingir os 21,4 mil milhões de euros".

Este impacto económico "significaria em média cerca de menos 40 mil empregos anualmente e uma receita fiscal perdida de 6.000 milhões de euros".

Francisco Calheiros sublinhou que há "53 anos" que se debate a questão do novo aeroporto, defendendo que "é preciso tomar uma decisão rápida".

"O que houve naquele dia foi uma decisão" sobre o novo aeroporto, afirmou o presidente da CTP, quando questionado sobre o facto de a confederação ter aplaudido a decisão do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, a qual entretanto foi revogada.

O responsável acrescentou ainda que "nesta última semana" apresentou o estudo ao Presidente da República, ao Governo e ao "principal partido de oposição", o PSD.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG