“Desejável” que contrato de concessão CTT permitisse à Anacom ser mais eficaz

João Cadete Matos diz que atual contrato de concessão do serviço postal universal não facilita a intervenção do regulador

“Era desejável que o contrato de concessão (do serviço postal universal) tivesse acautelado dimensões que permitissem ao regulador ter uma intervenção mais eficaz”, considerou João Cadete de Matos, presidente da Anacom, ouvido esta quarta-feira na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG