15% das empresas podem não resistir este ano à pandemia

Criação de novas empresas recuou 24% no ano passado, com o retalho, impulsionado pelo crescimento do comércio online, a surgir como o terceiro maior setor em número de criação de empresas.

Depois de a pandemia ter levado à insolvência de mais de 2200 empresas no ano passado, os impactos económicos da pandemia não parecem dar tréguas às sociedades nacionais: 15% apresenta risco elevado de não resistir à crise, com 3% a assinalar um risco elevado, de acordo com o último Barómetro da Informa D&B. Alojamento, restauração, atividades turísticas, transporte de passageiros entre os setores mais afetados. Atrasos nos pagamentos subiram.

"Cerca de 43% das empresas portuguesas têm um nível de resiliência financeira elevado ou médio-alto, facto que lhes permite enfrentar a crise económica motivada pela pandemia de covid-19 de forma mais robusta do que as restantes empresas, independentemente da severidade do impacto sentido no setor em que operam", destaca a Informa D&B. Uma capacidade de enfrentar a crise que varia consoante a dimensão das empresas. "As grandes, médias e pequenas empresas registam uma percentagem de empresas resilientes sempre acima dos 60%, enquanto nas microempresas essa percentagem desce para os 42%", refere.

A pandemia teve um forte impacto em 34% do tecido empresarial português, com mais de 205 mil entidades fortemente afetadas pelas medidas de contenção da pandemia. Alojamento e restauração, atividades turísticas, transporte de passageiros estão entre os setores mais impactados, com muitas a fecharem portas de forma definitiva. Os números da Informa D&B dão disso conta. Apesar de a Indústria ter sido, como em 2019, o setor com o maior número de casos (586 de um total de 2270), "alguns setores apresentam já uma subida dos novos processos de insolvência, como é o caso do alojamento e restauração, com 292 novos casos em 2020, mais 106 do que no ano passado", destaca a Informa D&B. Em 2020, os pedidos de insolvência subiram 3,2% face a 2019, ou seja, mais 71 casos.

Foi igualmente nos setores de alojamento e restauração, atividades turísticas, transporte que mais cresceu o número médio de dias de atraso nos pagamentos: três dias desde fevereiro, "sendo o exemplo mais significativo o do setor do alojamento e restauração, que neste período já aumentou em mais de uma semana (+7,1 dias) os atrasos de pagamento aos seus fornecedores, sendo atualmente de 36,8 dias", destaca a Informa D&B. No final do ano passado, apenas 15,9% das empresas pagaram a tempo e horas aos fornecedores. O número médio de dias de atraso foi de 27,3.

Nascimento de novas empresas recua

Setores igualmente penalizados ao nível de nascimento de novas empresas, num ano em que a pandemia pôs um travão a fundo na criação de novas sociedades: num ano recuou-se para níveis de 2016. "Após forte evolução nos últimos anos e um recorde em 2019 (49 525) a constituição de novas empresas caiu em 2020 para as 37 558 entidades, uma redução de 24% face ao ano anterior e que corresponde a um valor semelhante ao que se registou em 2016", ano em que foram criadas 37 252 empresas, destaca a Informa D&B. A queda fez-se logo sentir nos primeiros dois meses do ano (-17%), com as maiores descidas a ocorrer durante o confinamento de março e abril, com nascimento de empresas a cair 44% e 70%, respetivamente.

"Com o alívio progressivo das medidas de contenção e com a reabertura da economia, este registo aumentou relativamente aos meses anteriores e em agosto e setembro este indicador já apresentou valores acima de 2019. No entanto, no último trimestre, as constituições recuaram novamente face ao período homólogo (-19%)", indica a Informa D&B.

O retalho passou a ser o terceiro maior setor em número de constituições, graças às empresas de retalho online, onde as novas empresas subiram 46% em relação a 2019. Desde o final do primeiro Estado de Emergência, "verifica-se uma tendência contrária entre litoral e interior, com a esmagadora maioria dos distritos do litoral a recuarem face ao período homólogo enquanto todos os distritos do interior registam aumentos de novas empresas", realça a Informa D&B. Os nascimentos de empresas nos distritos do interior representam 18% do total do país, um aumento de 3 pontos percentuais face a 2019.

ana.marcela@dinheirovivo.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG