Rohan Dennis faz o pleno nos contrarrelógios da Volta a Espanha

O britânico Simon Yates foi 13.º na etapa e reforçou a liderança na geral. O português Nélson Oliveira fez o sétimo melhor tempo

O australiano Rohan Dennis conquistou esta terça-feira o contrarrelógio da 16.ª etapa da Volta a Espanha, depois de já ter vencido o crono do primeiro dia, enquanto o britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) reforçou a liderança da geral.

Dennis completou os 32 quilómetros entre Santillana del Mar e Torrelavega em 37,44 minutos, com o colega de equipa Joseph Rosskopf a ficar em segundo, a 50 segundos, e o espanhol Jonathan Castroviejo (Sky) em terceiro, com o mesmo tempo.

Para o australiano, este foi o sexto triunfo em contrarrelógios individuais esta temporada, começando nos nacionais da Austrália e passando por uma vitória na Volta a Itália, para agora fazer o bis na Vuelta.

Depois dos bons resultados, Dennis vai abandonar a corrida para poder preparar o contrarrelógio individual e também por equipas dos Mundiais de Innsbruck, na Áustria, no final do mês.

"Vou para casa, preparar-me para os Mundiais. Tentei controlar no início e no fim, e mexer-me bem na secção intermédia, e correu na perfeição", explicou o ciclista que teve de esperar bem mais de uma hora para ver confirmado um triunfo anunciado, uma vez que acabou como o único corredor a baixar dos 38 minutos.

Segundo o australiano, e mesmo sabendo "que esta era uma boa corrida", a incerteza ainda pairava sobre os tempos de Castroviejo, "sempre um bom indicador de forças por comparação", mas também do polaco Michal Kwiatkowski (Sky), quarto.

No dia da terceira vitória em etapas da BMC, juntando o bis de Dennis a um triunfo do italiano Alessandro de Marchi, o português Nélson Oliveira (Movistar) voltou a estar em bom plano, ao ser sétimo, a 1,05 minutos do vencedor.

Numa etapa vista como antecâmara dos Mundiais, o corredor português, quarto classificado no crono do Campeonato do Mundo de 2017, registou novo top 10, depois de ter sido quarto na primeira etapa.

Oliveira segurou o 75.º posto na geral, enquanto Tiago Machado (Katusha-Alpecin) foi 48.º na etapa e caiu para 85.º, e José Mendes (Burgos-BH) cedeu uma posição na geral, para 100.º, ao ser 93.º.

Depois de selado o triunfo na etapa, os primeiros classificados da geral lutaram para fazer a diferença e tentar abanar a liderança de Yates, mas foi o britânico a sair reforçado do primeiro dia da terceira e última semana da prova.

Ao registar o 13.º melhor tempo, Yates aumentou para 33 os segundos de vantagem para o espanhol Alejandro Valverde (Movistar), enquanto Steven Kruijswijk (LottoNL-Jumbo), outro dos vencedores do dia, foi quarto e subiu ao terceiro lugar, a 52 segundos.

O colombiano Nairo Quintana (Movistar) caiu para quarto, a 1,15 minutos, enquanto o espanhol Enric Mas (Quick-Step Floors) é quinto, a 1,30, e o colombiano Miguel Ángel López (Astana) sexto, a 1,34.

Esta quarta-feira, a 17.ª etapa liga Getxo a Balcón de Bizkaia em 157 quilómetros, com uma etapa dura de montanha e chegada em alto a testar mais uma vez os candidatos à vitória final.

Confira aqui as classificações da Vuelta.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.