Varandas: "Não queremos que o desporto seja um terreno sem lei"

Presidente do Sporting foi esta sexta-feira recebido em audiência pelo Secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, esteve esta sexta-feira reunido com o Secretário de Estado da Juventus e Desporto, João Paulo Rebelo, e no final disse à Sporting TV quais as preocupações que manifestou.

"Foi uma reunião profunda, para lá, até do tema da violência. O Sporting expôs as suas preocupações sobre o futebol - não só, mas do desporto em geral. Tem sido muito mal tratado e o que temos assistido nas últimas semanas, desde agressões, casos de corrupção, espetáculos degradantes nas televisões... Isso assusta o Sporting e não queremos que o desporto seja um terreno sem lei, sem justiça e sem valores. O Governo partilha de muitas destas preocupações, mas mais do que palavras, queremos atos. As pessoas estão carentes de decisões, as pessoas querem ação - é preciso intervir. Muito para além da violência, é preciso educar e formar melhor os dirigentes. Se o exemplo não vier de cima, vai ser difícil", afirmou o líder leonino.

O dirige comentou ainda a lei contra a violência no âmbito do desporto. "Em poucos meses estará em vigor. Não podemos ter medo de fazer, algo que é norma neste país. Temos dificuldades em arrancar. Este Governo, e qualquer outro, terão no Sporting um sério aliado na verdade desportiva, pela transparência e pela elevação do desporto", vincou.

Esta reunião surge na sequência de duas agressões a dirigentes do Sporting nas últimas semanas: um vogal da direção no Estádio do Bessa, num Boavista-Sporting: e a mulher do diretor-geral das modalidades Miguel Albuquerque num FC Porto-Sporting em hóquei em patins.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.