Volta a Espanha. O herói do dia foi o belga Tiesj Benoot e chegou em 163.º

Ciclista espanhol da Lotto-Soudal sofreu uma queda aparatosa na sexta-feira, mas não abandonou... Alejandro Valverde (Movistar) venceu a oitava etapa da 73.ª edição da Vuelta.

Tiesj Benoot não venceu qualquer etapa na 73.ª edição da Volta a Espanha em bicicleta, mas foi a grande figura na largada da oitava etapa, este sábado, em Linares. O ciclista espanhol da Lotto-Soudal sofreu uma queda aparatosa na etapa de sexta feira a 17 quilómetros da meta e sofreu um golpe profundo numa perna.

Algo tão profundo e tão feio que o próprio ciclista o revelou nas redes sociais quando chegou à meta. Uma imagem impressionante, que correu mundo, e ameaçava traçar o destino do ciclista na Vuleta. Mas não só Tiesj Benoot não desistiu como se apresentou à largada bo dia a seguir e concluiu a oitava etapa.

O ciclista da Lotto-Soudal foi 163.º , terminando a etapa atrás do português José Mendes (162) a mais de seis horas do vencedor da etapa: Alejandro Valverde.

Valverde venceu ao sprint

Alejandro Valverde (Movistar) vence pela segunda vez uma etapa na 73.ª edição da Volta a Espanha em bicicleta, ao bater ao sprint o eslovaco Peter Sagan (BORA-hansgrohe) na oitava etapa. O espanhol, que já tinha triunfado no segundo dia e é segundo na geral, cumpriu os 195,1 quilómetros entre Linares e Almadén em 4:35.54 horas, batendo Sagan, tricampeão mundial e favorito na etapa, e o holandês Danny van Poppel (LottoNL-Jumbo), terceiro.

A tirada deste sábado foi animada por uma fuga de três elementos, entre eles o português Tiago Machado (Katusha Alpecin), que foi o último a ceder a posição na frente da corrida, já a menos de seis quilómetros da meta. O dia ficou ainda marcado pelo primeiro abandono desta edição, no caso o holandês Maurits Lammertink (Katusha Alpecin). É a primeira vez, desde 1996, que uma das três grande voltas (Tour, Giro e Vuelta) regista sete etapas sem desistências.

José Mendes (Burgos-BH) é agora o português mais bem posicionado na geral, subindo ao 67.º lugar depois de cortar a meta em 98.º, enquanto Tiago Machado caiu para 70.º depois do esforço da fuga o fazer perder mais de seis minutos. Em 77.º segue Nelson Oliveira (Movistar), hoje 109.º, enquanto José Gonçalves (Katusha Alpecin) cortou a meta em 162.º e é 114.º à geral.

No domingo, Rudy Molard defende a liderança da classificação geral na mais dura das etapas da primeira semana, uma ligação de 200,8 quilómetros entre Talavera de la Reina e La Covatilla com quatro contagens de montanha e chegada em alto.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.