Luiz Phellype tomou o gosto e leva o Sporting à oitava vitória seguida

Leões dão continuidade ao bom momento de forma, com o avançado brasileiro a marcar pela quarta jornada consecutiva. Nacional cada vez mais aflito

Num duelo entre extremos, um Sporting em terceiro lugar e a viver uma das melhores fases na temporada foi à Madeira bater um Nacional que também é terceiro, mas a contar do fim, e que está cada vez mais aflito para fugir à despromoção.

Quase sempre por cima no jogo, mas com dificuldades em traduzir essa superioridade em golos, a equipa de Marcel Keizer não contou com Bruno Fernandes ao nível das últimas jornadas, mas teve em jogadores que em condições normais não seriam titulares, Doumbia, Jovane Cabral e Luiz Phellype, três unidades a quererem mostrar serviço.

Sem Wendel, sob alçada disciplinar do clube depois de ter ido a Turim na terça-feira assistir ao Juventus-Ajax, os leões apresentaram-se na Choupana com uma inversão no triângulo do meio-campo, com dois homens como médios estabilizadores (Gudelj e Doumbia) nas costas do outro lado. E sem o canhoto Raphinha, os dois extremos apresentaram-se no lado do melhor pé - Jovane Cabral na direita e Diaby na esquerda - para estimular cruzamentos para o raio de ação de Luiz Phellype, que tem rendido o lesionado Bas Dost nas últimas semanas.

Daniel foi adiando o golo

Com uma dinâmica interessante, os verde e brancos conseguiam chegar com frequência à zona de finalização, mas encontraram durante a primeira parte um inspirado Daniel Guimarães na baliza do Nacional. O guarda-redes brasileiro travou as tentativas de Jovane Cabral (23, 27 e 38 minutos) e de Diaby (26' e 31'). Do outro lado, os homens de Costinha procuravam chegar ao último terço através de ataques rápidos mas foram quase sempre inofensivos.

Na segunda parte, o Sporting até se mostrou menos acutilante em ataque posicional, mas acabou por chegar ao golo num lance de bola parada: livre lateral batido por Acuña na esquerda e desvio ao segundo poste de Luiz Phellype (em posição duvidosa), pouco depois da hora de jogo.

A vantagem leonina obrigou o Nacional a fazer mais pela vida, até pela notícia da vitória do concorrente direto Tondela imediatamente antes do jogo da Choupana, e o Sporting a baixar um pouco o bloco e a tentar chegar à baliza contrária através de ataque rápido, mas o resultado acabou por não sofrer mais alterações.

Na Madeira, o Sporting somou a oitava vitória consecutiva e o 11.º jogo sem perder em todas as competições, enquanto o Nacional aumentou para seis o número de encontros seguidos sem vencer.

A figura: Luiz Phellype

Demorou a convencer e passou os primeiros 11 jogos de leão ao peito sem qualquer golo apontado, mas ainda era demasiado cedo para falar dele como um flop. Desde a lesão de Bas Dost que tem jogado mais minutos e com mais regularidade e tem provado que apenas era isso de que necessitava para se encontrar com as redes contrárias. Marcou pela quarta jornada consecutiva e vai mostrando também qualidade a segurar no último terço do campo.

Resumo:

Ficha de jogo:

Jogo no Estádio da Madeira, no Funchal.

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco).

Assistência: 3.804 espetadores.

Nacional: Daniel Guimarães, Nuno Campos, Júlio César, Rosic, Filipe Ferreira (Riascos, 81), Tissone, Palocevic, Vítor Gonçalves, Avto (Witi, 62), João Camacho (Okacha, 75) e Rochez.

Treinador: Costinha.

Sporting: Salin, Ristovski, Coates, Mathieu, Acuña, Gudelj (Miguel Luís, 85), Doumbia, Bruno Fernandes, Jovane Cabral (Jefferson, 82), Diaby (Francisco Geraldes, 90) e Luiz Phellype.

Treinador: Marcel Keizer.

Marcador: 0-1, Luiz Phellype, 63 minutos.

Disciplina: Cartão amarelo para Acuña (07), Gudelj (55), Júlio César (62), Jovane Cabral (65) e Witi (89).

Filme do jogo:

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.