Sérgio Conceição: "Somos uma equipa que luta pelos 3 pontos e no fim faz-se as contas"

Treinador do FC Porto abordou o jogo com o Santa Clara, este sábado, no Dragão, que terminou com mais um triunfo portista (1-0).

"Era um jogo com uma dificuldade acima da média, não só pelo nosso último jogo, na Liga dos Campeões - pelo pouco tempo de recuperação -, mas também pela valia do adversário. O Santa Clara apresentou-se bem organizado; nos últimos jogos só perdeu um, com o Sporting. Estávamos precavidos para esta equipa consistente, normalmente jogam em 4x3x3 e hoje apresentaram-se em 4x4x2, em losango, o que dificultou a nossa tarefa porque insistimos em meter verticalidade no jogo. Foi sempre uma equipa muito positiva, a querer sair em transições rápidas e a querer fazer o golo". Foi assim queSérgio Conceição viu o jogo que acabou com uma vitória do FC Porto este sábado.

E não se mostrou surpreendido com a boa prestação dos açorianos no Dragão: "Entrámos com o controlo da posse de bola, mas não tanto do jogo, o que cria sempre intranquilidade,. Tivemos duas ou três ocasiões para matar o jogo. Mas fica a boa imagem de uma equipa que tem feito um campeonato fantástico, que subiu de divisão e conseguiu afirmar-se desta forma. Parabéns também aos meus jogadores pela mentalidade que tiveram num jogo difícil. E agora é olhar para o próximo."

Depois da eliminação da Champions e de uma derrota pesada (4-1, com o Liverpool), foi preciso fazer alguma gestão mental. "Nós dependemos de nós para ganharmos os nossos jogos. E é isso que vamos fazer. Somos uma equipa que luta pelos 3 pontos e no fim faz-se as contas. Estamos focados em cada jogo, em cada momento que estamos juntos na preparação dos jogos. Este clube é histórico, por si só tem essa forma de pensar e de agir. Da minha parte obviamente que tento incutir da melhor forma essa força emocional que eles têm que ter nesta fase do campeonato", defendeu o técnico portista.

Pepe ficou de fora e Sérgio explicou porquê: "Teve um pequeno problema muscular, nada de especial esperamos nós; o Corona também está debilitado fisicamente. Não estão esses, estão outros."

Herrera e as quatro finais que faltam

"Sabíamos que ia ser difícil, como sempre depois de um jogo de Champions. Devido ao cansaço e a outras coisas que tem a Champions. Estávamos preparados e foi assim, contra um adversário bom, que tem ideias e que nos roubou a bola. Como somos conscientes, sabíamos que não podíamos deixar escapar pontos para continuar a lutar pelo campeonato. O importante era somar três pontos e continuar nessa luta pelo título (...) teremos mais tempo para preparar as próximas finais. Temos de ganhar os quatro e ver o que acontece", disse Herrera, capitão do FC Porto, em declarações na zona de entrevistas rápidas da Sport TV.

"Equipa faz de cada jogo um espaço para se divertir com responsabilidade"

João Henriques, treinador do Santa Clara, após a derrota diante do FC Porto: "As derrotas na casa dos grandes foram todas por 1-0. Em Braga podíamos ter estado na frente, mas depois sofremos o golo; em Alvalade, também; e hoje sucedeu a mesma coisa. Conseguimos, ainda assim, colocar a bola dentro da baliza do FC Porto com os nossos princípios de jogo. Assustámos o FC Porto. Pensava-se que o FC Porto nos ia encostar às cordas, mas não foi isso que aconteceu. Estamos muito orgulhosos. Esta equipa faz de cada jogo um espaço para se divertir com responsabilidade."

E agora há que ir à procura do recorde de pontos. "Estamos tranquilos, mas são princípios nossos. Estar a perder por 1-0 em casa do FC Porto não nos satisfaz, fomos à procura de mais, mas não conseguimos. Sabíamos que é um adversário forte, apesar de poder estar com alguma fadiga. Foi um bom jogo, estamos satisfeitos com o que fizemos. Não com o que levamos daqui, porque é nada, mas pelo que fizemos. Queremos bater o recorde dos 37 pontos, que o Santa Clara tem na Liga, e fazer o melhor possível", afirmou o treinador dos açorianos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.