Sérgio Conceição no epicentro da única derrota portista em Guimarães em 14 anos

O atual treinador dos azuis e brancos era o timoneiro dos vimaranenses na única derrota do FC Porto no Estádio D. Afonso Henriques desde finais de 2004

A única derrota do FC Porto no Estádio D. Afonso Henriques desde outubro de 2004 em todas as competições e desde dezembro de 2001 para o campeonato teve um protagonista no banco do Vitória de Guimarães: Sérgio Conceição.

Numa fase em que os dragões tinham acabado de despedir Julen Lopetegui, o nome do antigo extremo portista era apontado à sucessão. Algumas fontes diziam mesmo que o acordo já estava fechado, mas o timing esbarrava num jogo entre vimaranenses e azuis e brancos na cidade-berço, a 17 de janeiro de 2016, a contar para a 18.ª jornada da I Liga 2015/16.

O então treinador dos minhotos foi alvo de suspeitas por parte de comentadores ao longo dessa semana, mas insistiu em orientar à equipa e acabou por vencer, com um golo solitário do médio Bouba Saré logo aos quatro minutos, na sequência de um erro de Casillas.

No final do jogo, Sérgio Conceição explodiu na zona de entrevistas rápidas da Sport TV. "Todos conhecem o meu percurso, a minha vida, a minha infância. Os meus pais eram analfabetos, mas passaram-me princípios fantásticos: dignidade, seriedade, honestidade. Sofri com tudo isso esta semana. "Não gostei que tivessem colocado em causa os meus valores. Já não tenho pais, mas hoje estarão felizes. Sou pai de cinco filhos, tenho irmãos e tenho família. É só isto que quero dizer", atirou, já em lágrimas.

"Vocês estão a lançar de todos os lados, para ver se eu escorrego. Como é que eu me safo disto", disse já a sorrir e sem lágrimas na conferência de imprensa, quando abordado pelos jornalistas sobre a possível mudança para o Dragão, da qual não quis falar.

Apesar da polémica, dias depois os dragões anunciaram José Peseiro como treinador, uma solução que "não agradou a toda a estrutura, tanto que treinadores como André Villas-Boas, Leonardo Jardim ou Marco Silva foram também consultados", segundo escreveu o DN na edição impressa de 19 de janeiro de 2016.

"Uma das vozes discordantes em relação a Sérgio Conceição era Antero Henrique, vice-presidente do FC Porto, que entendia que o clube deveria procurar uma solução diferente", podia ler-se. Os azuis e brancos acabaram por apostar num treinador "mais experiente e com currículo maior", adiando o regresso do antigo extremo ao Dragão para o verão de 2017.

Nesse encontro, quem orientou o FC Porto foi o interino Rui Barros, que fez alinhar sete jogadores que ainda fazem parte do plantel: Casillas, Maxi Pereira, Danilo Pereira, Herrera, Corona, Aboubakar e Brahimi. André André, que jogou de azul e branco. No lado do Vitória de Guimarães, permanecem Miguel Silva, Pedro Henrique, João Afonso e Cafú Phete, ainda que este último pertença à equipa B. Já o autor do golo, Bouba Saré, está sem clube.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...