Dois raios de luz de Soares alegraram a noite cinzenta do dragão

O FC Porto fez o mais importante, venceu os suíços do Young Boys por 2-1 e garantiu os três pontos que lhe dão a liderança do grupo G da Liga Europa a par do Rangers. No entanto, os portistas não foram brilhantes, sobretudo na segunda parte onde acusaram algum desgaste.

O FC Porto garantiu esta quinta-feira três importantes pontos no grupo G da Liga Europa ao vencer, em casa, os suíços do Young Boys, por 2-1. Valeu aos portistas os dois golos de Soares na primeira parte para fazer face a uma exibição cinzenta, na qual a equipa de Sérgio Conceição acusou algum desgaste físico após o intervalo.

O treinador portista tinha garantido na antevisão a esta partida que não ia fazer qualquer tipo de gestão no plantel a pensar na I Liga e cumpriu, pois apenas fez uma mudança em relação ao jogo com o Portimonense, deixando Zé Luís no banco de suplentes, lançando para o seu lugar Soares.

No entanto, o peso dos minutos fizeram sentir-se sobretudo nos homens da frente, Luis Díaz, Soares e Marega, que acabaram por ser substituídos, mas também em Otávio que começou o jogo ligado à corrente e aos poucos foi desaparecendo. Foram sinais que devem ter deixado o treinador portista em alerta, afinal os próximos meses vão ser de intenso desgaste com dois jogos por semana.

A superioridade do FC Porto era previsível e confirmou-se desde o primeiro minuto, com a equipa portuguesa a assumir as rédeas do jogo, procurando circular a bola com velocidade por forma a conseguir desmontar o sistema de cinco defesas que o Young Boys apresentou no Dragão.

E não durou muito até que os portistas abrissem o marcador, através de Soares, que finalizou com um remate certeiro após uma tabela com Luis Díaz. Estaria feito o mais complicado logo aos oito minutos, pelo que o pouco público presente no estádio terá pensado que agora era uma questão de tempo até surgirem mais golos.

Soares bisa depois do susto

Contudo, os suíços ainda não tinham mostrado tudo no que diz respeito à sua estratégia, que passava por procurar as costas da defesa portistas, para assim explorar a velocidade dos dois homens do ataque, o costa-marfinense Roger Assalé e o camaronês Nsamé. E foi num desses lances que Nsamé se isolou e foi derrubado por Marchesin, o árbitro não teve dúvidas em assinalar penálti, que o mesmo jogador aproveitou para empatar o jogo. Na prática, o Young Boys marcava na primeira oportunidade que teve.

Apesar da contrariedade, os jogadores do FC Porto não desarmaram e aos poucos foi percebendo que poderiam explorar alguma falta de articulação defensiva do adversário, sobretudo na zona dos laterais, que eram frequentemente batidos pelas rápidas trocas de bola dos portistas quando estes se aproximavam da área.

Danilo Pereira esteve perto do golo com um cabeceamento ao poste, mas acabou por ser Soares, aos 29 minutos, a fazer um dos golos mais fáceis da sua carreira. O mérito vai todo para o passe de Luís Díaz que isolou Otávio pela meia direita, tendo este assistido o brasileiro para o 2-1.

Outra vez em desvantagem, o Young Boys voltou a colocar em prática o plano que poderia atraiçoar os dragões e o certo é que os dois africanos do ataque voltaram a causar calafrios na defesa portista, por duas vezes. Era impressionante como a velocidade estes dois jogadores poderiam causar tantas aflições junto da baliza de Marchesin.

Dragão em sobressalto e o recorde de Fábio Silva

Os sinais dados pela equipa de Sérgio Conceição no final da primeira parte não eram famosos e confirmaram-se no segundo tempo, pois a equipa diminuiu o ritmo que tinha imprimido ao seu jogo e recuou as linhas na tentativa de explorar as transições rápidas. Só que com o passar do tempo Marega e Soares acusaram desgaste físico e os suíços acabaram por ganhar confiança, sobretudo após a entrada veterano gigante (1,92 m) Hoarou para o ataque para o lugar do veloz Nsamé.

O Young Boys conseguiu jogar mais no meio-campo portista e aos 71 minutos chegaram a gelar o Dragão quando o defesa-esquerdo Ulisses Garcia apareceu na entrada da área a rematar forte para Marchesin defender com os pés. Por essa altura, Sérgio Conceição já tinha lançado Romário Baró para o lugar de Luis Díaz para equilibrar o meio campo, mas precisava de ter capacidade de sair em velocidade e tirou o apagado Marega para entrar Wilson Manafá.

Os dragões não melhoraram por aí além a sua produção de jogo, mas conseguiram bloquear melhor os ataques suíços, que passaram a viver mais do jogo direto para a cabeça de Hoarau, o que facilitou a tarefa defensiva dos portistas, que quando viram entrar Fábio Silva voltaram a estar perto de marcar, quando o jovem ponta-de-lança obrigou o guarda-redes Von Ballmoos a defesa apertada. Aos 17 anos e dois meses, Fábio Silva tornou-se o mais jovem jogador do FC Porto a jogar numa prova europeia, destronando por três meses o médio Rúben Neves.

Num jogo sem brilho e em que a equipa acusou algum desgaste, o FC Porto conseguiu o mais importante, que eram os três pontos, que o colocam na liderança do grupo G em igualdade pontual com o Rangers, que recebeu e venceu o Feyenoord, por 1-0.

A Figura - Soares

O avançado brasileiro foi a novidade no onze de Sérgio Conceição. Desde a derrota com o Gil Vicente que não jogava de início e mostrou que podem contar com ele, pois estreou-se a marcar esta época e logo com dois golos que valeram importantes três pontos neste primeiro jogo da Liga Europa.

VEJA AQUI OS GOLOS DO DRAGÃO:

FICHA DO JOGO
Estádio do Dragão, no Porto
Árbitro: Andris Treimanis (Letónia)

FC PORTO - Marchesin; Jesús Corona, Pepe, Marcano, Alex Telles; Otávio, Danilo Pereira, Mateus Uribe, Luis Díaz (Romário Baró, 65'); Marega (Wilson Manafá, 70'), Soares (Fábio Silva, 81')
Treinador: Sérgio Conceição

YOUNG BOYS - Von Ballmoos; Bürgy, Sorensen, Zesiger; Janko, Sierro (Aebischer, 69'), Lustenberger, Ulisses Garcia; Fassnacht (Gaudino, 73'); Nsamé (Hoarau, 61'), Assalé
Treinador: Gerardo Seoane

Cartão amarelo a Bürgy (9'), Marcano (53') e Otávio (90')

Golos: 1-0, Soares (8'); 1-1, Nsamé (15 gp); 2-1, Soares (29')

Exclusivos