Seleção feminina dos EUA bate recorde no Mundial com goleada de 13-0

Campeãs do mundo entram em grande com goleada histórica sobre a Tailândia. Alex Morgan marcou cinco golos.

Foi em simultâneo um jogo sem história e que acaba por ser histórico. Por um lado, a seleção feminina dos EUA dominou jogo da fase final do Mundial do primeiro ao último minuto, nunca existindo dúvidas sobre o vencedor dada a fraca réplica da Tailândia. Por outro, o resultado foi de tal forma esmagador que é mesmo recorde em fases finais de mundiais, com 13 golos a zero.

No jogo disputado em Reims, França, onde se disputa a fase final, as norte-americanas já venciam por 3-0 ao intervalo. No segundo tempo fizeram logo mais quatro golos até aos 56 minutos. Depois só voltaram a marcar nos 18 minutos finais e foram logo seis golos. Alex Morgan, futebolista dos Orlande Pride, destacou-se com cinco golos marcados.

As norte-americanas - que têm estado em foco nos últimos tempos também fora de campo, por terem exigido à federação dos EUA prémios iguais aos da seleção masculina - são profissionais e formam uma das melhores equipas do mundo. São mesmo a seleção com mais títulos mundiais da FIFA, três no total, sendo as atuais detentoras do troféu. Desde 1991, houve oito campeonatos do mundo, incluindo o atual.

A Tailândia participa no segundo mundial da sua história. Em 2015 as tailandesas estrearam-se e ganharam um jogo, à Costa do Marfim, mas foram eliminadas logo na primeira fase.

No outro jogo deste grupo F, a Suécia venceu por 2-0 o Chile.

O campeonato do Mundo de futebol feminino começou no passado dia 7 e terá a final no dia 7 de julho, em Paris.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.