Salários em atraso. Guarda-redes do Aves fala em situação dramática

O guarda-redes Quentin Bernardeau explicou a uma rádio francesa que os jogadores não receberam nenhum salários em 2020. A SAD, que é detida por uma empresa chinesa, justifica-se com a pandemia de coronavírus.

Quentin Bernardeau, guarda-redes do Desportivo das Aves, assumiu este domingo em declarações à rádio francesa RMC Sport, que o plantel da equipa que ocupa o último lugar da I Liga está a passar por uma situação muito complicada, pois os jogadores não receberam qualquer salários em 2020.

"Vamos no terceiro mês sem receber salário. Não recebemos nenhum em 2020. Em fevereiro começámos a reclamar e dissemos que íamos marcar uma greve, mas no dia seguinte um jornal escreveu que não tínhamos sido pagos por causa da pandemia de covid-19", afirmou o futebolista, acrescentando que alguns colegas de equipa dizem que "a situação é impossível".

"Quem está em maiores dificuldades foi pedir à direção um adiantamento porque não consegue mais, e mesmo assim o clube não pagou", acrescentou.

Bernardeau revelou ainda que antes do jogo com o Sporting, a diretora geral da SAD do Desp. Aves que entretanto se demitiu, Estrela Costa, prometeu pagar os salários em atraso nessa semana, mas que afinal só o fez a dois jogadores, precisamente "os mais valiosos no mercado, os dois avançados". "Soubemos que a ela tinha pago a esses dois jogadores através da sua conta pessoal. Quando descobrimos, o resto do plantel ficou louco... Ou pagam a toda a gente, ou não pagam a ninguém", disse.

SAD justifica-se com a pandemia

A SAD do Desportivo das Aves, que é detida maioritáriamente pela Galaxy Believers, empresa de marketing desportivo que pertence aos chineses Wei Zhao e Hongmin Wang, já veio entretanto justificar, através de um comunicado, o atraso no pagamento dos salários ao plantel "se deve ao facto da atividade económica da China ainda não ter sido retomada a cem por cento e de isso vir a impedir os seus responsáveis de fazer a gestão interna esperada".

"Neste contexto de contágio galopante, acreditamos que nem as medidas entretanto tomadas pela Liga portuguesa cheguem a tempo para atenuar a situação", sublinham os avenses, que reforçam "a intenção de cumprir com as suas obrigações e de normalizar todas as situações o mais rapidamente possível."

Eis o comunicado na íntegra:

"Dadas as declarações de vários jogadores do clube vindas a público nas últimas horas, por causa da situação de incumprimento salarial e das suas consequências na vida dos profissionais do clube, a SAD do CD Aves vem a público explicar, uma vez mais, que esta situação se deve ao facto da atividade económica da China ainda não ter sido retomada a cem por cento e de isso vir a impedir os seus responsáveis de fazer a gestão interna esperada, situação de que Portugal vem tomando noção nos últimos dias, com os constrangimentos impostos na vida dos portugueses por causa do Covid-19. Neste contexto de contágio galopante, acreditamos que nem as medidas entretanto tomadas pela Liga portuguesa cheguem a tempo para atenuar a situação.

A toda a esta situação juntam-se os maus resultados da equipa, que também não têm ajudado a SAD do CD Aves, limitando-lhe as transferências na janela de inverno e impedindo-a de reforçar o plantel. Apesar deste contexto adverso, a SAD do CD Aves reforça a intenção de cumprir com as suas obrigações e de normalizar todas as situações o mais rapidamente possível."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG