Rui Vitória: "Se queremos mudar algo temos de mudar nós próprios"

Treinador do Benfica falou sobre o momento da equipa e referiu que esta não vai ao campo do Desp Aves fazer o "mínimo", visto que o empate chega para seguir em frente na Taça da Liga

Rui Vitória fez esta quinta-feira a antevisão ao jogo do Benfica no campo do Desp. Aves, para a Taça da Liga, que se realiza amanhã. O jogo decidirá qual das duas equipas segue em frente para a final four da competição e o treinador encarnado admitiu que não fará muitas mudanças no onze. Sobre o momento do Benfica, destacou que não existe "euforia" depois da goleada ao Sp. Braga no fim de semana.

"Nós e o Desp. Aves temos a possibilidade de passar e acredito que eles estejam motivados para chegar à ​​​​​​final four. Ganhar é a única hipótese do adversário para passar, mas nós queremos vencer também, não estamos preocupados com o empate nem em fazer o mínimo. O Desp. Aves tem qualidade e jogadores rápidos na frente que nos podem causar chatices", referiu, visto que uma igualdade apura os encarnados.

Sobre a atual fase do Benfica, Rui Vitória referiu que "houve de facto mudanças no funcionamento diário" da equipa, mas não quis adiantar muito mais sobre o que mudou em termos operacionais. No entanto, explicou qual foi mudança mais relevante: "Fundamental é se queremos mudar algo, temos de mudar nós próprios. Foi no fundo ser mais rigoroso, permanentemente exigente, mais unidos e fechados, não desviar o foco. Mas não mudou a forma de pensar, que é jogo a jogo e um passo de cada vez".

Referindo que "não há janela de entrada nem de saída na retoma", Rui Vitória assumiu que "houve um período em que era fundamental vencer". Para isso, disse que a equipa queria estar em todas as competições e "isso às vezes é colocar o resultado à frente". Sobre o mesmo assunto, referiu que existem outras equipas na I Liga a ganhar jogos pela "margem mínima" e que as vitórias encarnadas são consideradas "sofridas" ao invés das de outros clubes, que ganharam na "crença". "O importante é ganhar, se possível jogando bem", acrescentou.

A vitória recente por 6-2 frente ao Sp. Braga não é considerada por Rui Vitória um jogo de viragem, porque "só no final do campeonato" é que se olha para trás, mas fala numa "exibição de grande categoria", que não deixa o plantel "em euforia". Até porque, acrescentou, os "jogadores são excelentes profissionais". "Não preciso de grandes estratégias, temos uma relação muito direta", frisou o treinador encarnado.

Acerca de possíveis mudanças no onze inicial frente ao Desp. Aves, apenas existirão alterações se Rui Vitória for "obrigado" a mudar. "Não podemos esquecer que estamos competir muito e há muito tempo", disse o técnico do Benfica, que recordou os 14 jogos, pelo menos, que a equipa fará em janeiro.

Rui Vitória disse ainda que a abordagem à reabertura do mercado será "incisiva" e baseada em "questões de pormenor". "Trazer por trazer não queremos", acrescentou.

O treinador do Benfica deixou ainda um "abraço solidário" a um adepto encarnado hospitalizado depois de uma agressão na A1, mas deixou uma mensagem geral: "Isto tem a ver com todos os adeptos. O futebol não é isto, é um espetáculo bonito e as famílias têm de ir, e ter confiança que podem levar os filhos e o resto da família. O espetáculo deve ser defendido", finalizou.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.