Recusou treinar equipa num jogo, foi despedido e ganhou o lugar de selecionador sérvio

Ljubisa Tumbakovic recusou-se a orientar a seleção de Montenegro contra o Kosovo em junho e foi afastado do cargo. Coincidência ou não, menos de um mês depois estava a comandar a seleção do país onde nasceu

Portugal defronta neste sábado a Sérvia num jogo que vai marcar a estreia do selecionador Ljubisa Tumbakovic pela equipa dos balcãs. O treinador de 67 anos, que substituiu no cargo Mladen Krstajic, em julho, após a Sérvia ter sido goleada (5-0) pela Ucrânia, esteve envolvido numa enorme polémica no início do verão, quando na qualidade de selecionador de Montenegro e por razões políticas recusou orientar a equipa montenegrina diante do Kosovo.

Aparentemente, e de acordo com relatos da altura, Tumbakovic, de 66 anos, terá sido alvo de enormes pressões das autoridades sérvias, o seu país de origem, que não reconhece a independência de Kosovo. Além do treinador, também os jogadores Filip Stojkovic e Mirko Ivanic recusaram-se a jogar a pedido do seu clube, o Estrela Vermelha.

O jogo, realizado em Montenegro a 7 e junho, e relativo à fase de qualificação para o Euro 2020, terminou empatado a um golo e foi disputado à porta fechada por imposição da FIFA, que castigou os montenegrinos devido a comportamentos racistas dos seus adeptos num jogo anterior com a Inglaterra.

"A federação de Montenegro decidiu de forma unânime afastar o selecionador do cargo depois de este recusar-se a orientar a equipa no jogo. Além de ter sido uma desagradável surpresa, a decisão de Tumbakovic constitui uma quebra dos deveres profissionais estipulados no seu contrato", acusaram na altura os responsáveis montenegrinos, justificando que assuntos que nada tinham a ver com desporto acabaram por derrotar o desporto e o futebol em particular nesta ocasião.

Coincidência ou não, nem um mês depois da decisão por razões patrióticas de não orientar Montenegro diante do Kosovo, a federação sérvia nomeou-o a 1 de julho para selecionador, ele que já em duas ocasiões (na temporada 1994-95 e em 2011) tinha sido apontado ao cargo.

Em declarações à imprensa montenegrina, Dejan Savicevic, presidente da federação de futebol de Montenegro, revelou que Ljubisa Tumbakovic estava a chorar quando no dia do jogo com o Kosovo se reuniu com os jogadores para lhes comunicar que não ia estar presente na partida. E confidenciou que na véspera, o treinador já lhe tinha transmitido que não estaria presente se os jogadores Mirko Ivanic e Filip Stojkovic não atuassem, culpando o diretor do Estrela Vermelha, Zvezdan Terzic, de ter largado "uma bomba atómica no futebol de Montenegro", acusando este dirigente de ter sido o responsável pela campanha de chantagem que culminou com a saída de Ljubisa Tumbakovic.

Numa entrevista recente a um jornal sérvio, Tumbakovic reconheceu que quando treinava Montenegro e olhava para a qualidade dos jogadores que compunham a seleção da Sérvia pensava no sucesso que poderia ter se os orientasse. Mas recusou a ideia de que apurar a seleção sérvia para o Euro2020 seria a maior coroa da sua carreira: "Às vezes perguntam-me isso, mas respondo que não. A coroa seria treinar o Real Madrid ou o Manchester United. Este é um projeto nacional, onde coloco o país em primeiro lugar. Ficarei feliz se apurar a equipa para o Europeu 2020, mas não será um marco histórico individual."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...