Quanto valem os jogadores, quem joga mais nas seleções e os reis dos títulos

Os plantéis do FC Porto e do Benfica valem em conjunto 562 milhões de euros. Os jogadores dos dois clubes somam no total quase 1000 internacionalizações e têm nos respetivos currículos 237 títulos conquistados. Este sábado as duas equipas defrontam-se no Dragão num jogo importante para as contas do título.

Quanto valem os jogadores de FC Porto e Benfica? Quem tem mais futebolistas a representar as respetivas seleções? E entre águias e dragões, quem tem atletas com mais títulos conquistados ao longo das carreiras? São dados curiosos na véspera do FC Porto-Benfica que se realiza este sábado no Dragão (20.30, SportTV). Um jogo que não é decisivo para as contas do título, mas que se reveste de uma enorme importância, dado que as duas equipas estão separadas por apenas um ponto, com os dragões em vantagem.

Comecemos pelo valor de mercado dos dois plantéis, com base nos números do transfermakt, site especializado no mercado de jogadores de futebol. Para este trabalho foram levados em conta apenas os futebolistas que jogaram esta época pelas equipas principais dos dois clubes. No FC Porto, os 28 jogadores já utilizados por Sérgio Conceição valem um total de 287,55 milhões de euros; os 25 do Benfica estão avaliados em 274,5.

O jogador mais valioso do FC Porto, de acordo com o transfermarkt, é o central brasileiro Éder Militão - 35 milhões de euros -, que tem sido apontado com alguma insistência ao Real Madrid. Seguem-se Alex Telles (30M), Danilo Pereira (28M), Brahimi e Marega (26M). Os menos valiosos do plantel dos dragões são o guarda-redes Fabiano, 31 anos, que fez esta época apenas quatro jogos na Taça de Portugal, e Marius, avançado natural do Chade que cumpriu apenas 36 minutos em dois jogos pela equipa principal e que tem atuado pela equipa B. Cada um tem um valor de mercado de 500 mil euros.

No plantel do Benfica há dois jogadores que lideram o top dos mais valiosos. O central Rúben Dias e o defesa esquerdo Grimaldo, cada um com um valor de mercado de 28 milhões de euros. Seguem-se Gedson Fernandes (22M), Pizzi e Rafa Silva (20M). Estranhamente, João Félix, a figura do momento do Benfica, aparece avaliado em 15 milhões de euros. No plantel das águias o jogador com menor valor de mercado é Ferro, jovem central de 21 anos que só muito recentemente teve a primeira oportunidade, mas que na ausência de Jardel ganhou a titularidade nos últimos jogos - vale um milhão de euros.

Dragões goleiam nas internacionalizações

Os jogadores do FC Porto contabilizam mais do dobro de internacionalizações do que os do Benfica, algo que se fica a dever sobretudo à grande carreira do guarda-redes Iker Casillas (167 jogos pela seleção espanhola), Maxi Pereira (126 pelo Uruguai) e Pepe (103 por Portugal), contribuem para que 14 futebolistas dos dragões totalizem 715 partidas internacionais pelos seus países.

Para se ter uma ideia da diferença entre as duas equipas, basta dizer que o jogador do Benfica que mais vezes representou o seu país foi o suíço Haris Seferovic (59), sendo que no FC Porto há mais dois jogadores que superam o melhor marcador da I Liga: Herrera (70) e Aboubakar (65).

De qualquer forma, os encarnados têm mais um internacional do que os dragões, pois são no total 15 atletas. Depois de Seferovic surgem acima da dezena de partidas pelas respetivas seleções Samaris (33), Fejsa (24), Zivkovic (14), Pizzi (13), Rafa Silva (13), Salvio (12) e Jonas (12). No plantel de Sérgio Conceição há mais cinco futebolistas acima das dez internacionalizações, são eles Brahimi (46), Mbemba (43), Jesús Corona (41), Danilo Pereira (31) e Marega (18).

Dos atletas mais vezes titulares das duas equipas mas que nunca jogaram pelas respetivas seleções destacam-se os portistas Alex Telles, Óliver Torres, Otávio e Soares, enquanto do lado do Benfica contabilizam-se Jardel, Grimaldo, Ferro, Gabriel e João Félix.

Mais equilíbrio nos títulos

Se analisarmos os títulos conquistados por cada um dos jogadores que representam FC Porto e Benfica, constata-se que a diferença é de 13 troféus a favor do plantel dos dragões, que totalizam 125, contra 112 do Benfica. Nesta contabilidade são apenas considerados os títulos ganhos enquanto futebolistas seniores e no escalão principal dos diversos países.

O mais titulado é Iker Casillas, com 24, a maioria dos troféus conquistados ao serviço do Real Madrid, clube pelo qual venceu três Ligas dos Campeões, uma honra que só Pepe tem em igual número também ao serviço dos merengues. Além disso, o guarda-redes espanhol contabiliza ainda dois títulos de campeão da Europa e um Mundial ao serviço da sua seleção.

O segundo jogador com mais taças no currículo é o benfiquista Ljubomir Fejsa, totalizando 22, mais uma do que Pepe, que em janeiro regressou ao FC Porto, depois de ter representado os turcos do Besiktas. Aliás, estes dois jogadores têm a curiosidade de terem conquistado troféus em três países diferentes: o médio encarnado na Sérvia, Grécia e Portugal, enquanto o defesa portista em Portugal, Espanha e Turquia, além de ter também um título de campeão europeu pela seleção nacional, em 2016, ao lado do benfiquista Rafa Silva e do agora companheiro de equipa Danilo Pereira. Aboubakar também sabe o que é festejar em três países diferentes: Camarões, Turquia e Portugal.

Abaixo das duas dezenas de troféus estão o portista Maxi Pereira, com 14, dos quais a maioria foram ganhos de... águia ao peito. Seguem-se os benfiquistas Jardel (13) e André Almeida (11).

O Benfica é o clube que tem mais jogadores ainda sem qualquer conquista (12), o que se deve sobretudo ao facto de muitos deles estarem este ano a jogar pelo primeira vez ao mais alto nível, como são os casos de Zlobin, Ferro, Florentino Luís, Gedson Fernandes, João Félix ou Jota. Nesta circunstância estão apenas os portistas Diogo Costa e Bruno Costa.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.