Presidente do Fenerbahçe partiu a mão por causa do Benfica

Em 2013 era vice-presidente quando o clube turco visitou a Luz nas meias-finais da Liga Europa e teve um ataque de fúria por causa de um golo de Cardozo

Ali Koç, de 51 anos, é oriundo de uma das famílias mais ricas da Turquia e assumiu a presidência do Fenerbahçe há quase dois meses, depois de ter feito parte da anterior direção liderada pelo anterior líder, o polémico Aziz Yildirim. E quis o destino que o primeiro adversário europeu do novo presidente seja aquele que lhe partiu a mão em 2013.

É verdade. O Benfica partiu a mão ao atual presidente do Fenerbahçe. Não literalmente, mas a história explica-se facilmente. Ali Koç era vice-presidente do clube de Istambul quando os dois clubes disputaram as meias-finais da Liga Europa de 2012/13.

Após uma vitória em casa por 1-0, os turcos visitaram a Luz com muitas esperanças no apuramento, mais ficaram quando o holandês Dirk Kuyt fez o empate, de penálti, depois de Gaitán ter aberto o marcador. Mas o sonho tornou-se em pesadelo quando Cardozo marcou o seu segundo golo e o terceiro do Benfica, que ditou o triunfo por 3-1. Irritado, Ali Koç deu um murro com toda a força que tinha numa parede do Estádio da Luz e o resultado foi uma fratura.

A paixão de Koç pelo Fenerbahçe é muita e a mão direita tem sofrido bastante... é que em 2005 sofreu uma lesão num tendão por tanto aplaudir os jogadores nos festejos do título de campeão turco.

O regresso à Luz surge numa altura em que assumiu a presidência, depois de ter batido o anterior presidente nas urnas alcançando 78% dos votos. Ali Koç prometeu aos adeptos fazer renascer o Fenerbahçe, que atravessa várias dificuldades financeiras que desde 2016, estando mesmo sob intervenção do fair-play financeiro da UEFA até 2020.

Ayew entre miúdos e veteranos

E como peça essencial para o renascimento do clube, Ali Koç foi à Holanda contratar Phillip Cocu, treinador de 47 anos três vezes campeão pelo PSV Eindhoven, que sabe desde o início que a sua missão é acabar com o caos e mudar a filosofia do clube de Istambul. As contratações milionárias do passado não são agora possíveis e, para fazer face aos tempos difíceis, o presidente pediu-lhe para apostar nos jovens jogadores formados no clube, para que depois possam ser vendidos por altas somas.

O guarda-redes Berke Özer (18 anos), os médios Baris Alici (21) e Ferdi Kadioglu (18) parecem ser neste início de temporada as principais apostas de Cocu, que este domingo recebeu uma notícia bastante ansiada: chegou o avançado ganês Andre Ayew, que chega a Istambul emprestado pelo Swansea, em quem o treinador deposita grandes esperanças para dar qualidade ofensiva à equipa.

O atual plantel é, no entanto, composto por jogadores com muitos quilómetros nas pernas, dos quais se destacam os guarda-redes Volkan Demirel (36 anos) e Carlos Kameni (34); os defesas Matrin Skrtel (33) e Mauricio Isla (30); os médios Mehmet Topal (32), Nabil Dirar (32) e Mathieu Valbuena (33); e o avançado Roberto Soldado (22).

Luís Neto espera dois grandes jogos

Luís Neto jogou no Fernerbahçe na época passada no Fenerbahçe e garante que o Benfica terá "um adversário muito difícil" pela frente, sobretudo porque vai apostar tudo nesta eliminatória, pois há dez anos que não chega a uma fase de grupos da Liga dos Campeões. Nesse sentido, o internacional português considera que "o Benfica terá de forçosamente de fazer um bom resultado em casa".

Em declarações à SportTV, o defesa-central apostou em "dois grandes jogos" e avisou que "é preciso ter cuidado com o segundo jogo lá, não só pela equipa, mas também pelos adeptos que conseguem ser facilmente o 12.º jogador". Luís Neto avisa mesmo que o Fenerbahçe tem agora "um ótimo presidente" e que "encaminhado pelos adeptos fica no auge".
Ainda assim, deixou a certeza de que Rui Vitória e os seus jogadores "saberão certamente o que têm de fazer", para consguir ultrapassar esta eliminatória.

Luís Neto foi o último dos cinco jogadores portugueses que representaram o Fenerbahçe, depois de Dimas, Raul Meireles, Bruno Alves e Nani.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.