Presidente da Agência Antidopagem da Rússia pede a Putin que evite sanções

Escândalo com o organismo russo vem desde as relevações do jurista Richard McLaren, que descobriu uma rede que tinha como objetivo adulterar resultados e que envolvia membros do Estado russo

O presidente da Agência de Antidopagem da Rússia (Rusada), Yuri Ganous, pediu esta quinta-feira ao presidente russo, Vladimir Putin, que intervenha junto da Agência Mundial Antidopagem (AMA) para evitar mais sanções para aquele laboratório.

"Estamos perto do fim, e peço-lhe que defenda o presente e o futuro de um desporto limpo na Rússia", afirmou Ganous, num vídeo enviado a Putin e publicado no sítio da Internet da Rusada.

Em setembro, a AMA levantou a suspensão do laboratório russo, decretada no final de 2015, mas para que a decisão seja efetiva, precisa de receber os dados de controlos antidoping efetuados por Moscovo entre 2011 e 2015, com o prazo a terminar em 31 de dezembro.

O caso remonta ao escândalo levantado pelas revelações do relatório do jurista canadiano Richard McLaren, que descobriu uma rede destinada a forjar resultados de controlos que envolvia membros do Estado russo.

Ganous pede "uma solução urgente" para uma situação que pode levar a que a Rússia "fique isolada no desporto", depois de o caso já ter levado à exclusão de atletas de pista nos Jogos do Rio2016 e nos Mundiais de atletismo de 2017, além da participação de russos sob bandeira neutra nos Jogos de Inverno PyeongChang2018.

Se as amostras não forem entregues até ao final deste ano, as sanções da AMA podem ir até à proibição de atletas russos em novos Jogos Olímpicos, desta feita em 2020, no Japão.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.