Portugal vence Roménia e regressa a um Europeu de andebol 14 anos depois

A equipa treinada por Paulo Jorge Pereira bateu a Roménia no penúltimo jogo da qualificação e volta à elite europeia, depois de a última vez ter acontecido em 2006, na Suíça.

A seleção portuguesa de andebol garantiu esta quinta-feira presença no Europeu da modalidade, que se vai disputar em 2020 em três países (Áustria, Noruega e Suécia) e que contará pela primeira vez com 24 equipas, ao vencer em Bucareste a Roménia por 24-19 (ao intervalo estava a perder por 12-11), resultado que apura automaticamente a equipa das quinas apesar de ainda faltar disputar uma jornada no Grupo 6 de qualificação - domingo, frente à Lituânia.

Portugal está assim de regresso a uma fase final de um Campeonato da Europa, depois de a última vez ter acontecido em 2006, na Suíça. Antes disso, a seleção nacional marcou também presença nos Europeus de 1994, 2000, 2002 e 2004. Mas desde 2006 o andebol português entrou num período de crise, com sucessivas qualificações falhadas, até esta quinta-feira, com o apuramento selado na Roménia de forma brilhante.

A seleção nacional terminou assim com êxito uma caminhada que teve início em outubro de 2018, precisamente com um triunfo perante a Roménia. Seguiu-se uma nova vitória fora diante da Lituânia e depois um resultado histórico na receção à poderosa França, a 11 de abril, em Guimarães, com uma vitória por 33-27.

"Festejar? Vamos jantar, já estava marcado. Já tinha reservado o restaurante e tudo. A minha confiança era de tal ordem, que tinha reservado restaurante antes de sair de Bucareste", disse no final o treinador Paulo Pereira.

Em jogo da quinta e penúltima jornada do Grupo 6 da segunda fase de apuramento, Portugal mostrou muito valor, sobretudo no segundo tempo, no qual aplicou um parcial de 13-7, num encontro em que lhe bastava empatar para já poder celebrar.

A equipa das quinas não começou da melhor forma, esteve a perder por 3-0 e por 11-7, contudo, e com o guarda-redes Alfredo Quintana inspirado, ainda reagiu de forma a colocar-se a apenas um golo (12-11) de distância quando foi para o intervalo.

No segundo tempo, tudo foi bem diferente, os portugueses melhoraram claramente na defesa -- Quintana foi preponderante - e foram mais expeditos no ataque, colocando-se pela primeira vez na frente aos 14-15, com 40 minutos de jogo, com golo de Diogo Branquinho.

Cada vez mais confiante, Portugal jamais perdeu o comando e o controlo, estabilizando a vantagem em três golos (16-19), perante uma Roménia em quebra anímica.

Com o sonho cada vez mais perto e a Roménia sem soluções ofensivas - marcou apenas sete golos na etapa complementar -, os lusos fecharam o jogo com cinco golos de diferença (24-19).

Pedro Portela, com sete golos, foi o melhor marcador do encontro, secundado, nos lusos, por Diogo Branquinho, com os mesmos quatro tentos de Bogdan Rata, que, na Roménia, só foi superado por Alexandru Simicu, com seis.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.