Portugal demonstra como a falta de ousadia se paga caro

Seleção fez a melhor exibição em terras russas, mas pecou na primeira parte, com muitos jogadores a terem medo de assumir o risco. Na segunda parte Portugal rimou com festival mas o mal já estava feito

Portugal foi eliminado do Mundial 2018 ao perder com o Uruguai nos oitavos de final por 2-1. Não terá sido uma derrota justa e logo na melhor exibição do campeão da Europa em solo russo. A equipa de Fernando Santos teve mais bola, rematou mais vezes, teve melhor eficácia de passe... mas perdeu, em grande parte por culpa própria, diante de um Uruguai banal mas que contempla três autênticos foras-de-série - Godín, na defesa, Cavani e Luis Suárez no ataque.

O jogo começou praticamente com o golo de Cavani, numa jogada em que os centrais portugueses ficaram a falar sozinhos. Suárez enfrentou Ricardo Pereira, a grande novidade no onze titular português, fez um cruzamento da esquerda para a finalização de Cavani que fugiu a Raphäel Guerreiro.

Até ao intervalo Portugal assumiu as despesas do jogo mas faltou coragem, ousadia e iniciativa, principalmente dos jogadores que ladearam Ronaldo. Falamos de Adrien no corredor central, de João Mário na esquerda, de Bernardo Silva na direita e Gonçalo Guedes teoricamente ao lado do capitão mas com liberdade para procurar espaços vazios e tentar combinações que permitissem Portugal penetrar na área advresária.

Aí veio ao de cima a superioridade do meio-campo português, muito ajudado pela sua bússola William Carvalho. Portugal encurralou o Uruguai, José Fonte teve o empate na cabeça, Ronaldo ameaçou de livre mas faltou quem aparecesse, se assumisse e tentasse um rasgo que levasse Portugal ao empate na primeira parte.

O bom de ter Ronaldo é que ele decide um jogo sozinho (como se viu com a Espanha para não irmos mais longe), o mau é que passando a linha divisória mal alguém recebe a bola o primeiro reflexo é levantar a cabeça e procurar o capitão da seleção - a moeda tem sempre duas faces. A dominar em quase todas as estatísticas ao intervalo percebia-se que Portugal tinha condições para dar a volta aos acontecimentos.

Para o segundo tempo Fernando Santos, sem fazer qualquer substituição, soube mexer no onze. Guedes passou para o lado esquerdo, João Mário ocupou o lado direito e Bernardo Silva posicionou-se, no corredor central, entre Adrien e Ronaldo - e foi uma delícia ver o pé esquerdo do até agora desaparecido Bernardo Silva destilar classe...

Com o Uruguai encurralado e para abreviarmos foi um autêntico festival de futebol aquele que Portugal proporcionou nos segundos 45 minutos. E com futebol de alto quilate, como a jogada do golo do empate com um soberbo movimento de Ronaldo que deixou Pepe liberto para fazer o golo e Godín, um dos melhores centrais do mundo, completamente nas covas. Estávamos no minuto 55 e Portugal mostrava o porquê de ser campeão da Europa, os jogadores estavam conscientes de que a jogar assim a vitória iria aparecer.

Porém, ao minuto 62, na única jogada digna de registo do Uruguai no segundo tempo Cavani bisou depois de Pepe ter uma má abordagem ao lance. O remate do avançado do Paris Saint-Germain é fenomenal mas fica a ideia de que Rui Patrício não estava bem posicionado...

Fernando Santos, de novo a perder, retirou Adrien, fez entrar Quaresma, deslocando João Mário para perto de Bernardo Silva que, aos 70 minutos, falhou um golo fácil depois, pareceu-nos, de ter feito falta sobre o guardião Muslera.

André Silva e Manuel Fernandes ainda entraram, com o médio do Lokomotiv nos nove minutos em que esteve em campo a tentar o remate, por certo uma instrução de Fernando Santos para procurar uma recarga que desse golo.

O massacre no perímetro da baliza de Muslera foi de alta intensidade mas sem efeitos práticos. Portugal saiu do Mundial 2018, devendo isso a uma primeira parte letárgica com muitos jogadores receosos de assumir a iniciativa, de tentarem algo que provasse o que provaram na segunda parte; que Portugal é muito superior a este Uruguai que, seguramente, não terá uma estada prolongada na Rússia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG