Polícia de Las Vegas diz que Ronaldo não está acusado de nada

O mais provável é que o internacional português seja ouvido "na qualidade de pessoa interessada no caso", esclarece porta-voz da polícia

"Cristiano Ronaldo não está acusado de nenhum crime", garantiu Jacinto Rivera, porta-voz da polícia de Las Vegas, em declarações reproduzidas pelo jornal italiano Tuttosport.

De acordo com o mesmo agente, é provável que o internacional português seja chamado a prestar declarações em breve, na sequência da reabertura da investigação policial sobre o caso de alegada violação a envolver o avançado e a norte-americana Kathryn Mayorga, num hotel de Las Vegas, em 2009. Mas Ronaldo, a ser ouvido, sê-lo-á "como pessoa interessada no caso" e não como arguido.

Jacinto Rivera desmentiu ainda que as provas entregues por Mayorga à polícia de Las Vegas, em 2009, tenham desaparecido, ao contrário do que acusam os advogados da antiga aspirante a modelo. O porta-voz policial recusou-se no entanto a confirmar se essas provas se tratam do certificado médico sobre as feridas da norte-americana, bem como o vestido e a roupa interior utilizados naquela noite em que esteve com Ronaldo. "Não posso dar essas informações".

Segundo a edição do Correio da Manhã desta quarta-feira, o acordo de confidencialidade assinado entre Cristiano Ronaldo e Kathryn Mayorga em 2009, a troco de 375 mil dólares, terá sido uma imposição do Real Madrid, para evitar danos de imagem para o jogador e para o clube, num verão em que o clube espanhol pagou 94 milhões de euros pelo craque luso ao Manchester United - naquela que foi, à época, a transferência mais cara do futebol mundial.

Essa será, escreve o jornal, a razão invocada pela defesa do jogador neste caso para a assinatura de um acordo que Ronaldo não queria assumir por estar seguro quanto à sua inocência.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.