Mãos de Tiago e pés de Dyego Sousa deram vitória ao Sp. Braga

Sporting perdeu, por 1-0, em Braga, no fecho da quinta jornada da I Liga. Foi a primeira derrota dos leões, que assim deixam os bracarenses e os benfiquistas na liderança do campeonato. Dyego Sousa marcou o golo que manteve os guerreiros de Abel no topo, com quatro vitórias e um empate.

No dia em que o menino de ouro da formação leonina, leia-se Cristiano Ronaldo, deixou de ser o melhor do Mundo, o Sporting caiu em Braga. Um golo de Dyego Sousa desequilibrou o duelo entre o Sporting de Braga e o Sporting de Lisboa e tornou o dia ainda mais triste para os adeptos leoninos.

Pois, enquanto a FIFA coroava Modric, a equipa de Abel recebia a de Peseiro para o fecho da jornada cinco da I Liga. Levaram a melhor os guerreiros do Minho, que assim impuseram a primeira derrota da época aos leões e dividem agora a liderança da I Liga apenas com o Benfica. E se no início do jogo os adeptos fizeram um pedido em forma de tarja - "ousem voar, façam-nos acreditar!" -, o jogo acabou com os adeptos bracarenses a cantar: "Nós só queremos o Braga campeão."

Ambas as equipas entraram em campo a tentar não descolar do líder Benfica. Com três vitórias e um empate, quem conseguisse os três pontos ganhava também o direito a repartir a liderança da tabela classificativa. Foi isso que valeu o golo de Dyego Sousa, esta segunda-feira, na Pedreira.

Jogo intenso e oportunidade para Nani

Sem Mathuieu, que se lesionou frente ao Qarabag, Peseiro deu a titularidade a André Pinto. Essa foi aliás a única novidade no onze do Sporting. Os adeptos é que não lhe perdoaram a saída a mal do Sp. Braga para o Sporting e assobiaram-no a cada toque na bola. No Sp. Braga Claudemir jogou no lugar de Palhinha, que não pode ser opção por estar emprestado pelos leões e Tiago Sá regressou à baliza depois de Marafona ter jogado na Taça da Liga - o guardião acabou por revelar segurança entre os pontos e foi um dos pilares do triunfo bracarense.

O início do jogo não destoou dos habitais duelos entre minhotos e leões. Intenso e bem jogado sob pressão, mas com poucas oportunidades flagrantes de golo. O melhor lance dos primeiros 45 minutos foi um lance de bola parada em que Nani desviou de cabeça para a baliza, mas viu o jovem Tiago Sá negar-lhe o golo.

Mas o intervalo chegou sem golos no marcador muito por culpa da falta de inspiração de Novais e Horta, que não souberam bater Salin.

Abel ganhou o jogo com uma substituição

No segundo tempo o Sporting voltou ainda mais prático no jogo, sem se preocupar em jogar bonito e ainda com mais posse de bola, embora os minhotos fossem mais incisivos nas áreas de remate à baliza. Bruno Fernandes teve um jogo mebos conseguidos e os leões sentiram falta da organização e objetividade ofensiva do 8. Dyego Sousa fez um aviso antes de bater Salin.

Mas seria Abel a dar o mote para a mudança. Causou estranheza na bancada a saída de Wilson Eduardo, que estava a ser dos melhores, mas o homem que entrou para o lugar dele acabou por ser decisivo. Eduardo levou uma dinâmica diferente à equipa e passe para golo. Foi dos pés dele que saiu o passe para o golo de Dyego Sousa aos 67 minutos.

Um golo marcado perto do fim que deixou Peseiro sem grandes opções, que não fosse ir à procura do empate. O técnico leonino lançou então no jogo Castaignos e Jovane Cabral e esteve perto de sair com um ponto da Pedreira. Aos 82 minutos o míssil de Raphinha (mais um bom jogo do brasileiro) erro a baliza bracarense por pouco. E aos 88 foi a vez de do talento individual de Jovane a colocar o jovem guardião do Sp. Braga à prova. Desta vez o luso-cabo-verdiano não fez a diferença. Aos 88 minutos Jovane pegou na bola e criou a ilusão nos adeptos leoninos, mas rematou já em queda, dentro da área, e viu Tiago Sá negar-lhe o golo do empate.

E assim o Sporting saiu derrotado da Pedreira e deixou os vermelhos na liderança da Liga.

Ficha de jogo

Jogo no Estádio Municipal de Braga

Sp. Braga - Sporting, 1-0.

Golo: Dyego Sousa, 67 minutos.

Sp. Braga: Tiago Sá, Marcelo Goiano, Bruno Viana, Pablo Santos, Sequeira, Claudemir, João Novais, Esgaio, Ricardo Horta (Fábio Martins, 80'), Wilson Eduardo (Eduardo, 62') e Dyego Sousa (Fransérgio, 85').

Treinador: Abel Ferreira.

Sporting: Salin, Ristovski, Coates, André Pinto, Acuña, Gudelj (Diaby, 85'), Battaglia, Bruno Fernandes, Raphinha, Nani (Jovane Cabral, 71') e Montero (Castaignos, 72').

Treinador: José Peseiro.

Árbitro: Artur Soares Dias (Associação de Futebol do Porto).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Pablo Santos (65'), Battaglia (74') e Gudelj (83').

Figura

Dyego Sousa ganhou a luta com os centrais do Sporting mais do que uma vez. Teve poucas oportunidades de mostrar serviço é certo, mas quando teve mostrou. Teve uma jogada individual interessante aos 57 minutos, quando ludibriou a defesa leonina e entrou na área com a bola, mas não conseguiu finalizar da melhor maneira. Depois foi ele a selar o triunfo dos guerreiros do Minho, aparecendo bem na área para desviar para a baliza a bola após cruzamento de Eduardo. Foi o quinto golo da época para o brasileiro na I Liga em cinco jornadas!

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.