Paulo Futre pede ajuda para recuperar revista France Football de 1987

Ex-jogador perdeu a revista em que era capa no ano em que venceu a Taça dos Clubes Campeões Europeus pelo FC Porto e se mudou para o Atlético Madrid e foi nomeado para a Bola de Ouro.

Paulo Futre perdeu uma revista, mas não uma revista qualquer. Trata-se da France Football, revista francesa responsável pela entrega da Bola de Ouro, que em 1987 o nomeou e coroou como o segundo melhor jogador do mundo, com a Bola de Prata.

Quando viu Antoine Griezmann, jogador do Atlético Madrid, na capa da France Football , o ex-jogador recordou o dia em que também ele surgiu na capa da conhecida revista francesa, em 1987, ano em que se mudou do FC Porto para o Atlético Madrid. E foi quando deu pela perda do seu valioso exemplar e fez um apelo no Twitter.

"Aproveito a capa de Antoine Griezmann para recordar esta relíquia. É uma pena ter perdido a revista... Algum de vocês tem um exemplar? France Football, podem conseguir-me uma, por favor?", escreveu o antigo internacional português.

Agora é só esperar...mas a avaliar pelas dezenas de comentários a prometer ajuda, num instante Futre terá um exemplar da France Football de 1987 em casa.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.