Paulo Fonseca foi sondado mas recusou treinar o Benfica

O treinador dos ucranianos do Shakhtar Donetsk foi contactado por um emissário dos encarnados mas não se mostrou disponível para regressar a Portugal

Paulo Fonseca, atual treinador dos ucranianos do Shakhtar Donetsk, foi sondado esta quinta-feira para assumir o comando técnico do Benfica, mas ao que o DN apurou o técnico de 45 anos não aceitou conversar sobre esssa possibilidade, uma vez que não pretende deixar o clube da Ucrânia, onde está desde 2016.

O contacto foi estabelecido através de um emissário dos encarnados no dia em que Rui Vitória foi demitido do cargo, mas acabou por não avançar por vontade do treinador que na época 2013/14 orientou o FC Porto.

Paulo Fonseca tem contrato com o Shakhtar válido até junho de 2020, tendo conquistado naquele clube dois campeonatos ucranianos, duas taças e uma supertaça, além de ter tido boas campanhas na Liga dos Campeões nas duas primeiras épocas. Esta temporada lidera a Liga da Ucrânia com sete pontos de vantagem sobre o Dínamo Kiev e, tal como o Benfica, está a disputar a Liga Europa, depois de ter sido afastado da Champions na fase de grupos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.