Pablo Escobar quis matar o atual selecionador do Peru

O famoso narcotraficante chegou a pensar colocar uma bomba no carro de Ricardo Gareca, que nos anos de 1980 representou o América Cali

O narcotraficante colombiano Pablo Escobar tentou matar Ricardo Gareca, o atual selecionador do Peru e antigo avançado internacional argentino que nos anos de 1980 jogou no América Cali, da Colômbia.

A revelação foi feita por John Jairo Velásquez, sicário de Escobar que era conhecido como Popeye, em entrevista publicada no jornal peruano El Popular. "Ricardo Gareca esteve sempre na mira de Pablo Escobar, mas acabaram por não chegar a ele. O amor do Patrón [nome pelo qual era tratado o famoso narcotraficante] pelo futebol salvou Gareca, pois chegou a pensar colocar uma bomba no carro dele e de outros jogadores do América Cali, depois de o Cartel de Cali ter colocado uma bomba no carro da família de Pablo", revelou Velásquez.

Popeye recordou ainda que Escobar ordenou também" vários sequestros de jogadores do América Cali para que entregassem os líderes do Cartel de Cali", seus rivais no negócio do tráfico de droga. "E como os jogadores não colaboraram mataram a família de Pedro Enrique Sarmiento, que é atualmente um treinador de sucesso, que na altura não cooperou com Pablo Escobar", acrescentou. Sarmiento era na altura jogador do América.

Gareca representou o América entre 1985 e 1988, numa altura em que os cartéis da droga controlavam o futebol colombiano. "Pablo Ecobar era adepto do Independiente de Medellin", clube da cidade onde operava o seu cartel. Popeye conta mesmo que a máfia da droga "fez muito mal ao futebol colombiano", pois Escobar controlava o Independiente, o seu sócio Gonzalo Rodríguez Gacha detinha o Millionarios e os irmãos Gaviria detinha o América Cali.

Pablo Escobar foi considerado o senhor da droga colombiano, tendo-se tornado um dos homens mais ricos do mundo graças à exploração da rota da cocaína para os Estados Unidos. Acabou por morrer em dezembro de 1993 numa operação de captura conduzida pelo Bloco de Busca, das operações especiais da Polícia Nacional da Colômbia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.