Saiba quem tem os bilhetes mais caros na I Liga

Os crónicos candidatos ao título da I Liga portuguesa de futebol, Benfica, FC Porto e Sporting, têm, para a maioria dos setores nos seus estádios, bilhetes de época mais caros do que os outros 15 clubes em prova.

Entre as tabelas consultadas pela Lusa nos sítios oficiais dos clubes, o FC Porto, vice-campeão nacional, apresenta os dois preços mais altos para lugares anuais - 1.000 euros, para a designada 'Box' (camarotes), e 600 euros para a Tribuna.

Já as bancadas Superior Sul e Superior Norte do Estádio do Dragão são as mais baratas, custando 110 euros, valor que inclui somente os jogos da I Liga, ou 140, se contar também com a fase de grupos de uma competição da UEFA.

O campeão nacional Benfica também utiliza as provas da UEFA como critério para os preços: os bilhetes de época simples ('Red Pass'), que incluem campeonato, Taça de Portugal e Taça da Liga, variam entre os 85 e os 350 euros, enquanto o passe com jogos europeus vai dos 145 aos 460 euros.

O clube 'encarnado' confirmou, em 18 de julho, ter vendido mais de 45.000 bilhetes de época para 2019/20, marca que superou os mais de 43.000 de 2018/19.

O Sporting, terceiro em 2018/19, reparte a venda de lugares anuais por sete zonas do Estádio José Alvalade: a zona 1 (partes inferiores das bancadas laterais) é a mais cara, com preços dos 225 euros aos 450 euros, e a zona 7 (partes superiores das bancadas Norte e Sul) a mais barata, com valores entre 93 os 186 euros.

Os 'leões' anunciaram um "recorde" de 20.675 lugares renovados até 10 de julho, que dão acesso a todos os jogos da I Liga e da Taça da Liga e ainda a quatro jogos da Liga Europa.

Os preços são normalmente mais baixos entre os restantes emblemas, com o 'europeu' Sporting de Braga a apresentar preços entre os 12,50 euros (estudante na bancada Lateral Nascente) e os 350 euros (família de três pessoas nos Cativos), com acesso aos jogos da I Liga, Taça da Liga e fase de grupos da Liga Europa.

Já o outro clube na Liga Europa, o Vitória de Guimarães, pratica valores entre os 10 euros, para sócios entre os três e os 17 anos, e os 175 euros, numa das zonas da bancada Poente, garantindo o acesso a todos os jogos do campeonato

O Boavista anunciou, em 12 de maio, uma redução de 60% no custo dos lugares anuais e pratica agora valores entre os 15 e os 150 euros, enquanto os preços do Santa Clara vão dos 50 aos 135 euros, os do Tondela dos 40 aos 150 euros e os do Rio Ave dos 12 aos 130 euros. O Belenenses SAD tem um preço único de 50 euros.

Já as tabelas oficiais de Marítimo e Portimonense agregam o valor das quotas e dos bilhetes de época, com os madeirenses a apresentarem preços entre os 10 euros (crianças) e aos 180 (bancada Poente) e os algarvios entre os 60 (atrás das balizas) e os 150 euros (Poente).

Entre os emblemas recém-promovidos, o Paços de Ferreira apresenta bilhetes de época dos cinco aos 80 euros, valores aos quais se junta a quota mensal, o Famalicão impõe um preço único de 120 euros e o Gil Vicente tem uma oferta entre os 25 e os 170 euros.

Já o Moreirense, o Vitória de Setúbal e o Desportivo de Aves não vendem bilhetes de época. Em Moreira de Cónegos, o pagamento da quota mensal entre os três e os 7,5 euros é suficiente para se ver os jogos, enquanto, em Setúbal, o preço vai dos 1,5 aos 15,50 euros. Nas Aves, as quotas variam entre os três e os 10 euros, sendo ainda preciso adquirir ingresso para cada partida.

.

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

Linhas cinzentas

Era muito arrogante, mas era verdade, e como era verdade e era arrogante eu não me cansava de o dizer, quando na minha vida a arrogância e a verdade tinham um peso maior do que hoje. E o que era verdade é que já tinha ido mais vezes a Paris do que a Cascais e o que era arrogante era dizê-lo em todo o lado, junto de quem quer que fosse, mesmo quem nunca tivesse ido a Paris, ou a Cascais, e quisesse. Tenho vindo aqui mais vezes nos últimos tempos descobrir novos nomes, novas terras, pôr caras nas terras, de Bicesse, que em criança achava ser em Angola, a Pau Gordo, que não sabia que existia.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.