Mourinho: "Não gostava de voltar ao Real Madrid porque tem treinador"

Treinador português tem sido apontado como sucessor de Zidane nos merengues mas diz que não pode dirigir uma equipa que tem treinador e que não vende "fumaça"

A crise do Real Madrid tem feito o nome de José Mourinho voltar à baila para uma potencial sucessão a Zinédine Zidane, mas o treinador português descartou esta sexta-feira essa possibilidade, em entrevista à estação televisiva espanhola Cuatro.

"Não gostava de voltar ao Real Madrid porque tem treinador e não posso dirigir uma equipa que tem treinador. Posso falar com respeito ao clube mas também a um treinador que não é um qualquer. Estou fora. Não vendo fumaça. Gostava que as coisas corressem bem que tudo seja consertado", frisou o técnico setubalense, 56 anos, que orientou os merengues entre 2010 e 2013.

"Existem dois tipos de rumores. Primeiro, os que falam sobre Zidane, que é um dos nossos e toca-nos a todos quando as nossas equipas não estão bem. Há que viver com isso. Zidane estou no futebol durante toda a vida e sabe como é. Outro tipo de rumor é meter o nome nome e isso não gosto. Há problemas em muitos sítios, mas outra coisa é o respeito", acrescentou.

Ainda assim, Mourinho falou sobre a situação do Real Madrid e diz que a formação da capital espanhola "não está mal". "Está em segundo ou em terceiro, não é? E perto do primeiro. Não está mal. Se olharmos de forma pragmática, se nos focarmos na classificação, está lá em cima. Agora joga com o Sevilha e se ganha fica à frente do campeonato. O Barcelona está atrás, o Atlético está um ponto à frente...", analisou.

O special one diz que se diverte a fazer comentários televisivos enquanto está desempregado e que está a ter aulas de alemão para a eventualidade de um dia treinar na Alemanha ou para falar esse idioma num jogo da Liga dos Campeões. "Será a minha sexta língua", atirou.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.