Mourinho: "Gostava que as coisas corressem bem a Bruno Lage. Tenho carinho por ele"

Treinador português falou esta segunda-feira sobre o homólogo benfiquista, que diz não conhecer bem mas que é seu conterrâneo e filho de um amigo

José Mourinho manifestou esta segunda-feira que está a torcer para que o treinador benfiquista Bruno Lage tenha sucesso na carreira, porque é de Setúbal e filho do seu amigo Fernando Lage. "Conheço bem o pai dele, conheço mal o Bruno. Como gosto do pai, gosto do filho... sou assim. Gostava que as coisas lhe corressem bem, que fizesse uma carreira bonita. Não merece a pressão de ser comparado a mim. É duro para alguém levar com esse peso. Ganhei tanta coisa e o Bruno ainda não. Tenho carinho por ele apesar de não o conhecer bem, por ser de Setúbal e filho de um amigo", confessou o treinador de 56 anos, à margem do Fórum Nacional de Treinadores que está a decorrer em Portimão.

O técnico setubalense reconheceu que a recuperação do Benfica na luta pelo título o deixou surpreendido. "Foi inesperada. O FC Porto estava na frente e bem na frente. Pensava que ia manter essa liderança com alguma tranquilidade, mas as coisas deram a volta", perspetivou, deixando elogios ao avançado benfiquista João Félix e ao médio sportinguista Bruno Fernandes: "Acho que os devem deixar tranquilos e não os compararem com Cristiano. São dois grandes talentos, que podem jogar em qualquer clube. Os jogadores que em Portugal jogam nos clubes grandes estão bem preparados para aquilo que é a pressão dos grandes clubes. A dimensão social dos grandes portugueses é grande, a pressão é forte. Se saírem, saem preparados para fazerem carreiras bonitas."

Questionado sobre os vários casos que abalam o futebol português, nomeadamente o de Rui Pinto, o antigo técnico de Chelsea, Inter, Real Madrid e Manchester United, entre outros, foi taxativo: "Por alguma razão vivo em Londres. Foco-me no jogo e tento alhear-me dessas questões."

Sem clube desde que foi despedido em dezembro do comando técnico dos red devils, depois de uma derrota às mãos do Liverpool, Mourinho perspetivou o duelo entre a equipa de Anfield e o FC Porto, a contar para os quartos de final da Liga dos Campeões. "O que aconteceu na época passada joga a favor do FC Porto. Vejo-me na pele do Sérgio Conceição, a ver o que correu mal no 0-5. Liverpool é de um campeonato com um nível competitivo diferente, joga pelo título tal como o FC Porto e não terá hipótese de fazer descansar jogadores, pelo que haverá acumulação de fadiga física e mental. Prevejo uma eliminatória aberta, mas o Liverpool tem um bocadinho mais de qualidade", anteviu.

Quer nova liga e mais uma Champions

Em conversa com os jornalistas, Mourinho descreveu o perfil do próximo clube em que gostava de trabalhar. "Quero um clube que queira ganhar, que tenha uma estrutura que me permita ser feliz no trabalho e pôr em prática toda a minha experiência e minha ambição. Em que Liga? Nenhuma em especial, já disse que uma das minhas ambições seria tentar ganhar uma terceira Liga dos Campeões por um terceiro clube e ganhar um campeonato num quinto país, mas nem sempre se tem o que quer e as minhas ambições também não se esgotam nesse capricho. Posso eventualmente voltar a um país onde já estive e aceitar um projeto de muita complexidade e que me motive. Mas ganhei o direito de dizer que não muitas vezes, por isso tanto posso voltar a trabalhar já em julho como eventualmente não voltar tão cedo", confessou.

O técnico setubalense piscou o olho ao campeonato francês mas frisou que o futuro não passa necessariamente por lá. "É um país onde gostava de trabalhar, mas há mais campeonatos. Vamos ver o que vai acontecer. O que me fez dizer que não até agora foi simplesmente não querer trabalhar durante esta época. Não quero interromper este meu período de descanso, estudo, reflexão e reformulação e de preparação para a próxima etapa. Se quando eu quiser não aparecer, tenho a estabilidade necessária para esperar que apareça", vincou, admitindo não estar a trabalhar quando se iniciar a próxima temporada.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.